GeralPolícia

Homem que matou três PMs em SP fingia para a família ser policial civil

Parado em abordagem policial na avenida do Rio Pequeno, na zona oeste, suspeito reagiu, trocou tiros com os policiais e acabou morrendo no local

O falso policial civil que morreu após troca de tiros em que matou três policiais militares na zona oeste de São Paulo neste sábado (8), não só portava documento adulterado como fingia para a família que cumpria a função, de acordo com informações da polícia.

Segundo policiais, Cauê Doretto de Assis contou aos parentes que passou no concurso público realizado em dezembro do ano passado. Todos os dias, dizia que estava saindo para trabalhar. Ele também relatou aos pais, no dia da suposta posse do cargo, que o casal não poderia acompanhá-lo por causa da pandemia do novo coronavírus.

De acordo com a polícia, Cauê não tinha antecedentes criminais e era proprietário de uma casa noturna. Após o tiroteio desta madrugada, foram encontradas duas armas com ele, uma de 9mm com numeração raspada e a outra em nome de uma terceira pessoa. A Polícia Civil está procurando pelo dono da arma de fogo para entender a razão de estar com Cauê.

Um amigo do falso policial que presenciou o tiroteio e os homicídios prestou depoimento ao DHPP nesta tarde. A polícia não acredita que ele tenha envolvimento no crime – ele também achava que Cauê era policial civil.

Cauê morreu baleado em uma troca de tiros após ser abordado por três policiais militares na avenida Escola Politécnica, no bairro do Rio Pequeno. De acordo com informações da Polícia Militar, agentes estavam em patrulhamento pela região quando desconfiaram da atitude suspeita de um veículo que trafegava pela avenida.

No momento da abordagem, Cauê, que estava no veículo, atirou contra os agentes e os policiais revidaram. Após troca de tiros, os três policiais foram alvejados. Eles chegaram a ser encaminhados ao pronto socorro do Hospital Universitário, mas não resistiram e morreram. Cauê também foi atingido e morreu no local.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios