BrasilNotíciasSão PauloSaúde

Hospital de campanha do Pacaembu será desativado após quase 3 meses

Queda semanal do número de internações na rede municipal da cidade de São Paulo justifica medida, de acordo com a prefeitura

Após quase três meses de funcionamento, o hospital de campanha montado em março para atender casos de covid-19 no estádio do Pacaembu, zona oeste de capital paulista, será desativado a partir desta segunda-feira (29). Segundo a prefeitura, desde 1º de junho, a taxa de internações de casos de covid-19 vem diminuindo na rede municipal e, nos últimos 10 dias, ficou abaixo dos 50%.

Prefeito Bruno Covas na última sexta-feira (26). A estrutura montada no estádio do Pacaembu conta com 200 leitos, sendo 16 de estabilização (para pacientes que saem de UTIs de outros hospitais e precisam se recuperar antes de receber alta) e 184 vagas de baixa complexidade.

Desde 6 de abril, quando foi inaugurada, a unidade recebeu 1.493 pacientes. Na última quinta-feira (25), apenas 15 pessoas estavam internadas no local. Segundo o prefeito, o hospital salvou 99,8% das pessoas que por lá passaram.

O prefeito disse que o fechamento do hospital do Pacaembu não afetará a assistência em uma eventual alta de casos, já que a outra estrutura emergencial, montada no Anhembi, tem 900 leitos vagos, que só são pagos pela prefeitura se houver ocupação.

O hospital é administrado por uma Organização Social da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein e custou aos cofres do município R$ 23 milhões, de acordo com Covas.

No entanto, todos os equipamentos utilizados lá serão doados pelo Einstein à prefeitura. São respiradores, monitores, desfibriladores, camas, macas, colchões, que serão utilizados em hospitais da rede municipal. O valor total da doação é de R$ 7 milhões.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios