Internacional

Incidente no Golfo Pérsico com o Irã mostra um Reino Unido abalado pelo Brexit

Londres eleva ameaças contra Teerã após captura de petroleiro no Estreito de Ormuz; Ex-militar acusa governo de não se preparar para uma 'crise que poderia ser prevista'

LONDRES — À medida que o governo britânico elevava o tom de suas ameaças contra o Irã após a captura do petroleiro Stena Impero , no Golfo Pérsico, ficava cada vez mais evidente a falta de planejamento e de respostas a uma crise que poderia ter sido prevista. O ex-chefe do Estado Maior Naval britânico, Alan West, reprovou a falta de atenção dos políticos, envolvidos em suas batalhas internas, sobre o que acontecia no Golfo Pérsico. A oposição trabalhista alertou para o risco de o Reino Unido se deixar levar, mais uma vez, pelos Estados Unidos, algo que conduziu ao desastre da invasão do Iraque.

Quando, no dia 4 de julho, a Marinha Real interceptou, perto de Gibraltar, o petroleiro Grace 1 , de bandeira panamenha e controlado pelo Irã, e deteve sua tripulação, vieram advertências de Teerã de que haveria uma resposta. “A captura do petroleiro se baseou em desculpas pré-fabricadas, e terá sua resposta no momento adequado”, disse o chefe do Estado Maior iraniano, o general Mohammad Bagheri..

A captura do petroleiro Stena Impero , de bandeira britânica, pelas forças iranianas, levou a uma série de críticas políticas e militares, diante do fracasso de um governo paralisado pelo Brexit e pelas disputas dentro do Partido Conservador pela sucessão de Theresa May . Um governo que abandonou toda sua disciplina.

“Toda essa crise se desenvolveu diante dos olhos de nossa classe política, que está concentrada na eleição de um novo líder dos conservadores e um novo primeiro-ministro. Mas seja quem for que ocupar Downing Street , te rá que enfrentar uma séria crise internacional logo de cara. Uma crise que não poderá ser ignorada por causa do Brexit”, escreveu neste domingo no jornal The Observer o ex-chefe do Estado Maior Naval, Alan West.

Ação militar seria ‘catástrofe’
Não se trata de uma voz alarmista lançando gritos de guerra. Lorde West advertiu para a catástrofe que seria uma ação armada contra o Irã, “inapropriada” e, segundo o militar, “em qualquer caso, além da capacidades de atuação de nossas Forças Armadas”. West ressaltou as carências da força naval britânica, além da armadilha em que se meteu o governo ao anunciar, nos últimos dias, que iria reforçar suas posições na região do Golfo Pérsico.

Na região só existe uma fragata de apoio, o HMS Montrose , que conseguiu impedir, há uma semana, a primeira tentativa iraniana de capturar um navio mercante com bandeira britânica. Mas que, no caso do Stena Impero, estava a uma hora de distância e não conseguiu fazer nada. O governo britânico prometeu enviar uma nova fragata, a HMS Duncan , que já deveria substituir a HMS Montrose. O navio com um tanque para reabastecimento, também prometido, deveria estar no Golfo há algum tempo, disse West, para que as fragatas tivessem uma capacidade de tempo de navegação que agora não possuem.

— Vamos pôr as coisas em seu contexto. Houve um aumento surpresa da atividade e do nível de ameaça nas últimas semanas. Leva algum tempo para responder à situação — afirmou o subsecretário da Defesa, Tobias Ellwood, em entrevista à TV Sky News. — Precisamos reduzir a tensão . Nossa responsabilidade é resolver a situação do Stena Impero e assegurar que os demais navios de bandeira britânica possam navegar com segurança pela área. Devemos ter uma relação adequada e profissional com o Irã.

O Reino Unido foi contra a decisão unilateral de Washington de se retirar do acordo nuclear com o Irã e de impor sanções contra o regime, mas tenta a todos custo preservar uma “ relação especial ” com os EUA cada vez mais prejudicada. O homem que tem as maiores chances de ser o novo premier na próxima quarta-feira, Boris Johnson, acredita contar com o apoio e afeto de Donald Trump — chegou a conversar com ele, por telefone, durante a atual crise, mas o conteúdo da conversa segue em sigilo — mas suas primeiras decisões sobre respostas ao Irã serão vigiadas de perto pelos partidos de oposição e mesmo seus colegas conservadores.

— Queremos ter a certeza de que os erros do passado não serão cometidos novamente — afirmou o porta-voz do Partido Trabalhista para a Justiça, Richard Burgon , também em entrevista à Sky News. — Os erros do passado custaram muitas vidas. Os erros do passado pioraram as coisas e deram asas ao ódio e ao terrorismo. Isso não queremos, uma situação que saia de controle.

Movimentos prudentes
Para sorte de Johnson, o governo de Theresa May compensou sua fraqueza e falta de ação com movimentos prudentes. Apesar do tom do chanceler Jeremy Hunt e da ministra da Defesa, Penny Mordaunt , os discursos não passaram de palavras. As duas reuniões neste fim de semana pelo gabinete de crise COBRA (sigla para “Sala de Reuniões do Escritório do Gabinete”, em inglês), criado para coordenar uma resposta interministerial em situações graves, não levaram a decisões concretas. Elas se limitaram, segundo Ellwood, a considerar possíveis opções de resposta.

Mas em pelo menos um item o representante do governo e o ex-chefe do Estado Maior Naval concordam: a famosa Armada britânica já não é mais o que já foi um dia.

— Nossa Armada Real é pequena para gerenciar todos nossos interesses pelo mundo. Se esta é nossa ideia para o futuro, será algo que caberá ao novo premier reconhecer e negociar — disse o subsecretário de Defesa.

Via
O Globo
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios