Internacional

Irã diz que navio petroleiro foi atingido por mísseis

A TV estatal iraniana disse que a explosão danificou dois armazéns dentro do navio tanque e causou um vazamento no Mar Vermelho perto da cidade portuária de Jiddah.

Dois mísseis atingiram um navio tanque iraniano que atravessava o Mar Vermelho perto da costa da Arábia Saudita nesta sexta-feira (11), de acordo com autoridades do Irã.

Veja também: Collor é alvo de operação da PF que apura lavagem na compra de imóveis

Não há, por enquanto, pronunciamento da Arábia Saudita sobre o ataque, e oficiais sauditas não responderam a pedidos de entrevistas.

A TV estatal iraniana disse que a explosão danificou dois armazéns dentro do navio tanque e causou um vazamento no Mar Vermelho perto da cidade portuária de Jiddah.
O vazamento foi estancado mais tarde, de acordo com a agência de notícias do Irã.

1 milhão de barris
O nome do navio atingido é Sabiti. Os seus mecanismos de localização haviam sido ligados na sexta-feira (11), no fim da manhã, no Mar Vermelho. Ele estava a cerca de 130 quilômetros a sudeste de Jiddah, de acordo com dados do MarineTraffic.com.

O navio carrega cerca de 1 milhão de barris de óleo cru, segundo a empresa Refinitiv.

Veja também: Gerentes do Banco do Brasil no Ceará viram réus por desvio de R$ 59 milhões

Imagens divulgados pelo Ministério do Petróleo do Irã não mostram os danos ao Sabiti, mas as laterais não apareceram nas fotos.

A última vez que o Sabiti havia ligado seu mecanismo de localização havia sido em agosto, perto da cidade iraniana de Bandar Abbas.

Os navios tanque do Irã frequentemente desligam seu identificador de localização, porque os Estados Unidos têm o petróleo do Irã como alvo de sanções econômicas.

O porta-voz do ministro de Relações Exteriores, Abbas Mousavi, descreveu o incidente como um ataque executado por aqueles que se comprometem com uma aventura perigosa.
Em um comunicado, Mousavi disse que o Sabiti foi atingido duas vezes no período de meia hora e há uma investigação.

O tenente Pete Pagano, porta-voz da Marinha dos EUA que supervisiona o Oriente Médio, disse que as autoridades estavam cientes dos relatórios sobre o incidente, mas não fez mais comentários.

Veja também: Venezuelanos são presos no Aeroporto de Quito

Histórico recente de ataques

Se for confirmado que esse incidente foi uma agressão, trata-se de mais um capítulo da deterioração das relações entre os iranianos, os sauditas e os Estados Unidos.

Fumaça é vista após um incêndio nas instalações da Aramco em Abqaiq, na Arábia Saudita, no dia 14 de setembro de 2019 — Foto: Reuters

Fumaça é vista após um incêndio nas instalações da Aramco em Abqaiq, na Arábia Saudita, no dia 14 de setembro de 2019 — Foto: Reuters

É provável que a região, que esteve calma no último mês, passe por um novo período de ameaças no mar, segundo a Dryad Maritime, uma empresa de segurança no mar.

Em setembro, uma unidade de exploração e produção de petróleo e combustíveis na Arábia Saudita foi atingida por mísseis disparados a partir de drones.

Com o ataque, a produção saudita de óleo e gás caiu pela metade.

Os EUA acusaram os iranianos do ataque. O Irã negou.

Um grupo rebelde do Iêmen chegou a reivindicar a autoria do atentado, mas, de acordo com os americanos, os drones não poderiam ter partido daquele país.

Acordo nuclear

Há pouco mais de um ano, os Estados Unidos saíram unilateralmente de um acordo multilateral com o Irã e outros países, pelo qual a nação persa iria parar de desenvolver tecnologia nuclear.

Em junho deste ano, o Irã derrubou um drone de vigilância dos EUA, e os americanos chegaram a se preparar para responder com uma ação militar.

Além disso, houve ataques a navios tanque perto do Estreito de Ormuz, na entrada do Golfo Persa –os iranianos negam serem os responsáveis.

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios