Esportes

Juiz nega pedido de prisão domiciliar para Ronaldinho: “Não podemos correr risco de fuga”

Juiz não aceita argumentação da defesa e ex-jogador segue detido preventivamente em Assunção. Ele e o irmão são investigados pelo uso de documentos com conteúdo falso

Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto Assis, seguirão presos preventivamente em Assunção, no Paraguai. A decisão foi tomada nesta terça-feira pelo juiz Gustavo Amarrilla, que não aceitou a argumentação da defesa do ex-jogador. Eles já passaram as últimas quatro noites num presídio de segurança máxima, acusados de terem entrado no país com passaportes adulterados.

A defesa vai recorrer da decisão. Um recurso será apresentado ainda nesta terça-feira ao Tribunal de Apelações, de segunda instância.

– Cada hora o Ministério Público tem uma desculpa diferente. Agora eles querem mais prazo para periciar os celulares. Isso está com eles desde a semana passada. Mas só agora pediram isso – disse Sergio Queiroz, advogado da família Assis, que não quis gravar entrevista.

Sergio Queiroz, advogado de Ronaldinho Gaúcho, no Paraguai — Foto: Norberto DUARTE / AFP
Sergio Queiroz, advogado de Ronaldinho Gaúcho, no Paraguai — Foto: Norberto DUARTE / AFP

O Ministério Público foi autorizado a fazer uma perícia nos celulares de Ronaldinho Gaúcho e Assis. A expectativa é de que isso ajude a investigar outros crimes cometidos por outras pessoas.

– Se mantém a medida cautelar de prisão na Agrupación Especializada. A investigação tem menos de uma semana. E está ficando claro o tamanho deste caso, com novas revelações. É de responsabilidade minha, do poder judicial, garantir a continuidade dessa investigação. Não podemos correr o risco de essa investigação acabar por causa de uma fuga ou de uma saída do Paraguai. A liberdade de Ronaldinho poderia significar obstrução da investigação ou fuga – declarou o juiz Gustavo Amarilla.

Ao contrário do que havia sido dito anteriormente pelo promotor Osmar Legal, o Ministério Público do Paraguai se opôs à medida de prisão domiciliar e apresentou os argumentos na audiência desta terça.

– O Ministério Público sustentou a sua posição de se opor à toda modificação à prisão preventiva. Se trata de uma investigação com atos que atentam contra a segurança de documentos de identidade do Paraguai. Faz cinco dias que começou a investigação. Ainda se está estudando condutas individuais. Essas pessoas (Ronaldinho e Assis) não têm raízes (no Paraguai) – explicou o promotor Marcelo Pecci.

Juiz Gustavo Amarilla negou pedido de Ronaldinho Gaúcho a prisão domiciliar — Foto: Martín Fernandez
Juiz Gustavo Amarilla negou pedido de Ronaldinho Gaúcho a prisão domiciliar — Foto: Martín Fernandez

Advogados em audiência sobre a prisão domiciliar para Ronaldinho — Foto: Divulgação
Advogados em audiência sobre a prisão domiciliar para Ronaldinho — Foto: Divulgação

Ronaldinho e Assis estão detidos desde a última sexta-feira pelo uso de documentos com conteúdo falso. Os dois foram alvos de investigação por apresentarem passaportes e carteiras de identidade adulterados na chegada ao Paraguai, inicialmente não seriam acusados pelo Ministério Público, mas viram o caso ter uma reviravolta na sexta, quando tiveram a prisão preventiva solicitada pelo MP.

Desde então os brasileiros estão na penitenciária Agrupación Especializada da Polícia Nacional, em Assunção. A instalação era anteriormente usada como cadeia comum, mas atualmente recebe apenas alguns presos de maior relevância. No último sábado os advogados de defesa do ex-jogador e seu empresário já haviam tentado tirá-los de lá, mas a Justiça decidiu manter a prisão preventiva.

Ronaldinho Gaúcho foi preso preventivamente pela policia paraguaia na última sexta-feira — Foto: REUTERS/Jorge Adorno
Ronaldinho Gaúcho foi preso preventivamente pela policia paraguaia na última sexta-feira — Foto: REUTERS/Jorge Adorno

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios