Justiça

Justiça do RJ nega liberdade a suspeito de ataque à Porta dos Fundos

Defesa recomendou que Eduardo Fauzi não retorne ao Brasil enquanto o tribunal não julgar o mérito do pedido de habeas corpus; ele continua na Rússia

O Tribunal de Justiça do Rio negou nesta quarta-feira (29) um pedido de liberdade feito em caráter liminar pela defesa de Eduardo Fauzi, como adiantou o colunista Ancelmo Gois em sua coluna, suspeito de atacar a sede da produtora Porta dos Fundos na véspera do Natal de 2019. Fauzi está na Rússia e é considerado foragido.

De acordo com Diego Rossi, um de seus advogados, a recomendação é para que ele não retorne ao Brasil enquanto o tribunal não julgar o mérito do pedido de habeas corpus apresentado. A partir da decisão desta quarta-feira, o Ministério Público ainda irá se manifestar e depois disso a expectativa é que de o tribunal julgue em até 30 dias o HC.

Um dia antes da expedição do mandado de prisão contra ele, no dia 30 de dezembro, Fauzi embarcou para Moscou na Rússia. O economista tem família na capital russa: a mulher dele, de origem russo-israelense, e o filho, de três anos, vivem na cidade. Ele é considerado foragido.

Em entrevista concedida ao “Projeto Colabora”, Fauzi assumiu a autoria do ataque e declarou que soube com antecedência sobre a expedição de um mandado de prisão contra ele, cumprido em operação policial.

Questionado sobre os objetivos do ataque, Fauzi disse que agiu apenas por motivação política. Na entrevista e em um vídeo divulgado durante a semana, ele demonstrou insatisfação com o especial de Natal do Porta dos Fundos (“A primeira tentação de Cristo”), na qual Jesus Cristo foi retratado como homossexual.

Por: O Globo

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios