DestaqueJustiçaLava Jato

Justiça Eleitoral abre ação contra Skaf por suspeita de receber propina de R$ 5 milhões da Odebrecht nas eleições de 2014

Para juiz, há indícios suficientes de falsidade ideológica, corrupção e lavagem de dinheiro nas eleições em que o presidente da Fiesp disputou o cargo de governador de SP. Em nota, Skaf diz que a aceitação da denúncia é 'superficial'.

A Justiça Eleitoral aceitou denúncia do Ministério Público e abriu ação contra o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, por suspeita de ter recebido propina da construtora Odebrecht durante a campanha de 2014, quando foi candidato ao governo de São Paulo pelo MDB.

Segundo o Ministério Público Eleitoral, Skaf teria recebido da construtora R$ 5,1 milhões da Odebrecht em propina e caixa dois.

Para o juiz Marco antonio Martin Vargas, da 1 Zona Eleitoral de São Paulo, há indícios suficientes de materialidade e autoria com relação à falsidade ideológica eleitoral, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A denúncia atinge também outras oito pessoas. Em nota, a defesa de Paulo Skaf ressaltou que a aceitação da denúncia é provisória e superficial, mera formalidade procedimental e, mais uma vez, reafirma o caráter infundado da acusação.

Leia mais:  

Denúncia

O Ministério Público de São Paulo e a Procuradoria Regional Eleitoral no estado de São Paulo denunciaram em abril deste ano, Skaf, o empresário Marcelo Odebrecht e o publicitário Duda Mendonça pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e de caixa 2.

A investigação, segundo o MP, teve início após informações obtidas pela Força Tarefa da Lava Jato, do Ministério Público Federal, em Curitiba (PR) e em delações premiadas.

Na ocasião, Skaf disse, em nota, que recebeu com perplexidade a denúncia, que é infundada” e que “a investigação sempre esteve em segredo de justiça”. Segundo o empresário, todas as doações recebidas pela campanha em 2014 estão devidamente registradas na Justiça Eleitoral, que aprovou sua prestação de contas.

Segundo o MP, a campanha no horário eleitoral gratuito de Skaf em 2014 foi dirigida por Duda Mendonça. Outras seis pessoas são investigadas por participarem do caso.

A denúncia integra um conjunto de informações que tramita na Operação Lava Jato perante a 13ª Vara da Justiça Federal, em Curitiba, contra agentes públicos e privados, especialmente executivos e ex-executivos da Odebrecht, pela prática de organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção passiva e ativa, dentre outros. As informações também foram obtidas a partir de acordos de delação premiada homologados pelo Supremo Tribunal Federal.

As investigações se iniciaram em 2017 e terminaram neste ano, informou o MP.

“Paulo Skaf reitera que ele nunca pediu e nem autorizou ninguém a pedir qualquer contribuição de campanha que não as regularmente declaradas. Salienta, uma vez mais, a absoluta confiança no Poder Judiciário, o qual restabelecerá a verdade neste caso”, afirmou a defesa do empresário em nota à imprensa.

 

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios