Justiça

Justiça manda soltar advogado condenado por mandar matar esposa e simular roubo

Ele estava estava preso desde o início do mês, após ter condenação mantida em segunda instância.

O advogado Eduardo de Oliveira Francisco, condenado por mandar matar a mulher, Cibelle de Paula Silveira, e simular um roubo foi solto nesta terça-feira (22) após decisão do Superior Tribunal de Justiça. Ele estava preso desde o início do mês.

Veja também: Julgamento sobre prisão após 2ª instância será retomado nesta quarta

Cibelle foi morta em 2015 com um tiro na cabeça enquanto andava de bicicleta com o marido. Inicialmente, o caso era tratado como roubo que terminou em morte, mas laudos apontaram que ela podia ser vítima de espancamento do marido, que passou a ser suspeito de envolvimento no crime.

Eduardo chegou a ser preso no dia 9 de setembro de 2018. Em dezembro do mesmo ano foi condenado a mais de 27 anos de prisão. Uma decisão judicial concedeu a liberdade a ele.

Veja também: Família em Espírito Santo matava cachorros e gatos para vender carne em feira

Durante o julgamento do crime em 2ª instância, o Tribunal de Justiça manteve a condenação de Eduardo. No entanto, a pena mudou para 25 anos de prisão em regime fechado. Com isso, ele foi preso novamente no último dia 7 de outubro.

A defesa de Eduardo recorreu ao STJ e consegui que ele fosse libertado novamente. “Mais uma vez a ilegalidade foi estancada, já que é a terceira vez que o STJ reestabelece o status de liberdade do paciente”, disse o advogado Anderson Van Gualberto de Mendonça.

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios