Entretenimento

Justiça rejeita denúncias do MP contra Najila Trindade

A Justiça de São Paulo rejeitou, nesta semana, as denúncias oferecidas pelo Ministério Público paulista contra Najila Trindade, por denunciação caluniosa e extorsão no processo no qual acusou o jogador Neymar de estupro em inquérito arquivado. As informações são do Blog do Perrone, do UOL.

Veja também: Ação destrói garimpos em RR, retira invasores e apreende até helicóptero na maior terra indígena do país

A publicação ainda dá conta que, ainda no mesmo dia, foi aceita a denúncia em desfavor da modelo e de seu ex-marido, Estivens Alves, por fraude processual. O MP pode recorrer da decisão, no caso da rejeição.

Sobre a fraude processual, que corre na 31ª Vara Criminal, a modelo e o seu ex-marido têm dez dias para apresentar defesa por escrito, entre outras providências. A denunciação caluniosa se referia as acusações de Najila por estupro e agressão contra o atacante do Paris Saint-German.

Veja também: Governo estuda retomar vacina de gotinha contra pólio

O MP enquadrou Najila por acreditar que ela teria agido de má-fé afim de prejudicar o atleta, mesmo sabendo que o mesmo era inocente, o que configuraria o crime citado.

A denúncia por extorsão se referia à provável tentativa de Najila em conseguir dinheiro junto ao pai de Neymar em troca do seu silêncio, o que definiria o crime.

O MP ainda afirmou que a modelo induziu o seu primeiro advogado no caso, José Edgard Bueno, a se reunir com representantes do Neymar Pai para resolver o caso, antes que Najila tomasse providências judiciais. A tentativa de acordo não foi considerada pela juíza como uma atitude ilícita.

“Comemoro o resgaste da Justiça em relação às imputações que foram feitas à minha cliente. Por tudo que eu vinha dizendo, essas acusações não poderiam subsistir. A decisão da juíza Andrea foi muito bem fundamenta”, afirmou Cosme Araújo, atual advogado de Najila.

Veja também: Governo estuda retomar vacina de gotinha contra pólio

Via
RD1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios