Justiça

Justiça rejeita último recurso, e Viúva da Mega-Sena é condenada definitivamente por morte do marido

A 8ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio rejeitou o último habeas corpus pedido pela defesa de Adriana Ferreira Almeida, a Viúva da Mega-Sena. Com essa decisão, se esgotam os recursos possíveis para ex-cabeleireira, que finalmente foi condenada definitivamente pelo assassinato do marido, o ex-lavrador e milionário René Senna, em janeiro de 2007.

“À mingua de ilegalidade ou abuso de poder contra a liberdade de locomoção da paciente, o habeas corpus desvia-se de sua finalidade e torna-se, por consequência, inadequado para o único fim de reformar a sentença condenatória do Tribunal Popular, que é o que remanesce”, escreveu o desembargador Claudio Tavares de Oliveira Junior, relator do caso.

A defesa de Adriana — que foi condenada em primeira instância em dezembro de 2016 a 20 anos de prisão por ser mandante do assassinato do ex-marido — pedia, no habeas corpus, a diminuição da pena. O pedido foi negado por unanimidade.

Renê e Adriana
Renê e Adriana

Agora, Adriana só tem mais uma pendência com a Justiça: ela aguarda o último recurso do processo que vai definir a partilha da herança de René Senna, estimada em R$ 120 milhões. Apesar de a Justiça ter anulado o testamento que beneficiava a ex-cabeleireira, a filha do milionário recorreu da decisão. Renata Almeida Sena, de 32 anos, deseja a revalidação do testamento que beneficia a assassina de seu pai em detrimento do outro que dividia a herança entre ela e seus nove tios, irmãos do ex-lavrador.

No recurso, a defesa de Renata argumenta que Adriana não tinha intenção de matar o milionário quando o testamento foi assinado, três meses antes do crime e mais de um ano depois de Renê ganhar a bolada. O recurso deve ser julgado até o final do ano.

Viúva da Mega-Sena é presa em Tanguá
Viúva da Mega-Sena é presa em Tanguá Foto: Divulgação

René Senna foi executada a tiros por dois homens contratados por Adriana, em janeiro de 2007, em Rio Bonito, na Região Metropolitana. De acordo com a sentença que condenou a cabeleireira, Adriana ordenou a morte do marido após ele ter dito que iria a excluí-la do testamento, pois havia descoberto que estava sendo traído.

Atualmente, ela cumpre a pena em um presídio do Rio. O sítio em que o casal vivia antes do crime — um dos bens mais valiosos da herança — está hoje abandonado.

Durante o julgamento em que foi condenada, Adriana disse que amava Renê e que sua vida era muito melhor quando ele estava vivo: “Eu tinha tudo”, afirmou, na ocasião. Após o crime, Adriana se casou novamente e incorporou o sobrenome do novo marido ao seu: hoje, ela assina Adriana Ferreira Almeida Nascimento.

 

 

Via
Extra
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios