Lava Jato

Lava-Jato de Curitiba anuncia recuperação de R$ 4 bilhões aos cofres públicos

Petrobras ficou com a maior parte dos recursos

SÃO PAULO – A força-tarefa da Lava-Jato de Curitiba anunciou nesta segunda-feira que a cifra já recuperada pela operação ao cofres públicos soma cerca de R$ 4 bilhões. Os valores foram recuperados por meio de acordos de leniência de empresas, delações premiadas de pessoas físicas e renúncias voluntárias de valores escondidos em contas no exterior.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), a maior parte já está de volta ao caixa da Petrobras, o equivalente a R$ 3 bilhões, em razão do esquema de corrupção descoberto na estatal.

No Paraná, a devolução desse dinheiro resultou em redução dos preços dos pedágios. Desde outubro, as concessionárias passaram a aplicar R$ 570 milhões em subsídios nas tarifas de seis rodovias federais.

Até o momento, tomando em conta apenas a força-tarefa em Curitiba, o total de valores previstos para devolução devem chegar a R$ 14,3 bilhões. Deste total, R$ 4 bilhões já foram efetivamente restituídos.

As leniências com as empresas são a parte mais expressiva  – R$ 12,4 bilhões previstos; sendo outros R$ 2,1 bilhões previstos em multas compensatórias decorrentes de colaboração; R$ 111,5 milhões de denúncias voluntárias; e R$ 4 milhões de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC).

O valor restituído pela Lava-Jato cresceu desde 2015. Naquele ano, foram R$ 157 milhões. Em 2016, R$ 289 milhões. No ano de 2017, o valor saltou para R$ 868 milhões e, em 2018, alcançou R$ 1,062 bilhão.

Até outubro de 2019 a Lava Jato atingiu R$ 2,3 bilhões em acordos celebrados coms empresas. O montante refere-se somente a quatro leniências: Rodonorte (R$ 750 milhões), Techninp (R$ 1,13 bilhão, sendo R$ 819,7 milhões destinados ao Brasil), Ecorodovias (R$ 400 milhões) e Purunã (R$ 20 milhões).

Em mais de cinco anos de Lava-Jato foram deflagradas 68 fases, com o cumprimento de 1.302 mandados de busca e apreensão, 227 mandados de condução coercitiva e 327 mandados de prisão expedidos pela Justiça Federal (temporárias e preventivas) contra 280 pessoas (alguns envolvidos seguem foragidos).

Em 50 processos com sentença, houve 244 condenações contra 159 pessoas. Até o momento a soma das penas chega a 2.249 anos, 4 meses e 24 dias.

Além disso, foram impetradas 10 ações de improbidade administrativa contra 63 pessoas físicas, 18 empresas e 3 partidos políticos (PP, MDB e PSB), pedindo o pagamento de R$ 18,3 bilhões.

Via
O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios