GeralPolícia

Lava-Jato identifica e-mail usado por analista da Receita para cobrar propina

Quebra do sigilo telefônico de Marcial Pereira, um dos alvos da operação Armadeira, confirmou achaque a delator

 

RIO – A força-tarefa da Lava-Jato provou que o e-mail “[email protected]” era usado pelo analista tributário da Receita Federal Marcial Pereira de Souza para cobrar propina de empresários em troca do cancelamento de multas milionárias por sonegação fiscal. Com a colaboração do Google e de uma operadora telefônica, a partir da quebra de sigilo telemático autorizada pela Justiça,  foi possível confirmar que uma das mensagens de achaque contra o delator do esquema  partiu de um celular conectado a um modem em nome de Marcial.

Usada como prova cabal pelo Ministério Público Federal (MPF) para a prisão do analista da Receita, uma das mensagens enviada ao contador Rildo Alves da Silva, indicado pelo delator Ricardo Siqueira Rodrigues para acertar os pagamentos de propina, revela a pressão de Marcial  para receber os valores acertados. Nela, Marcial afirma que a fiscalização de Ricardo estaria “sob controle”.

“O documento que você recebeu é bem claro. Trata-se do calendário 2013. Sinalização maior que está controlado não há. Combinamos que toda correspondência recebida e por ele enviada (desta outra etapa) nos seria repassada. Até o momento não nos foi repassado nada. Por fim, os valores acertados ainda não foram pagos”, diz e-mail enviado no dia 25 de outubro de 2018.

O Google informou os IP’s dos últimos acessos ao e-mail em referência e foi possível apurar que a conexão à internet ocorreu por meio da operadora utilizada por Marcial.

Mensagem enviada do modem cadastrado em nome do analista tributário Marcial Pereira de Souza, preso na Lava-Jato Foto: Reprodução
Mensagem enviada do modem cadastrado em nome do analista tributário Marcial Pereira de Souza, preso na Lava-Jato Foto: Reprodução

“Solicitados os dados cadastrais do usuário que, utilizando-se do serviço da operadora, conectou-se à internet por meio dos IPs e horários identificados, a operadora informou que a conexão ocorrida no dia 28/04/2019 de 12h46min06s às 13h05min17s deu-se a partir de um modem instalado em nome de Marcial Pereira de Souza.”, diz trecho do documento do MPF enviado ao juiz Marcelo Bretas para reforçar o pedido de prisão.

Imagens usadas no pedido de prisão de servidores da Receita mostram três encontros de Marcial e o delato que, segundo os investigadores, serviram para tratar da cobrança de propina. Era em nome de Marcial Pereira de Souza e de sua mulher que estava a conta em Portugal onde foram depositados os recursos ilícitos.

 

 

Parte da propina, estimada em 50 mil euros (R$ 225 mil), foi depositada por Ricardo em conta indicada pelo grupo na conta de Marcial Pereira de Souza em banco português.

O MPF afirma que as imagens do circuito interno de vigilância dos estabelecimentos onde ocorreram três encontros entre Marcial e Ricardo – nos dias 5, 9 e 17 de novembro do ano passado, comprovam cabalmente os achaques realizados pelo analista.  Marcial e a mulher tiveram a prisão preventiva decretada.

Marcial é funcionário público desde 1993, estava lotado na Divisão de Controle e Acompanhamento Tributário, que, entre outras funções, cuida do parcelamento do débito reconhecido por devedores.

A Polícia Federal   apreendeu pouco mais de R$ 1 milhão, US$ 3,7 mil e € 3.990 em endereços ligados a servidores da Receita Federal presos na  Operação Armadeira .

A PF e o MPF cumpriram 12 mandados de prisão contra auditores e analistas da Receita Federal. No total, são nove prisões preventivas e cinco temporárias. Além disso, os agentes executaram 41 mandados de busca e apreensão em endereços do grupo criminoso instaurado na Receita Federal e de parentes de seus integrantes.

Via
O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios