Lava Jato

Lava Jato investiga aquisição de R$ 65 milhões em obras de arte pelo ex-senador Luiz Estevão

Nome do empresário aparece em tabela apreendida em galeria de arte investigada pela operação. Defesa diz que não vai comentar; galeria afirma que 'apenas atuou na intermediação de compra e venda de obras'.

A força-tarefa da Operação Lava Jato investiga a compra de pelo menos 19 obras de arte pelo ex-senador Luiz Estevão, avaliadas em R$ 65,2 milhões, e sem a emissão de notas fiscais. Segundo as apurações, o nome do empresário aparece em documentos de uma galeria que teria sido utilizada pelo filho do ex-ministro Edison Lobão, Márcio Lobão, para lavar dinheiro de propina (entenda abaixo).

A força-tarefa em Curitiba pediu à Justiça o compartilhamento dos documentos com os procuradores da Lava Jato em São Paulo, para que possam investigar as suspeitas. Segundo o pedido apresentado pelo Ministério Público Federal (MPF), o nome do ex-senador aparece em uma tabela de vendas apreendida na Almeida e Dale Galeria de Arte, em São Paulo.

Na terça-feira (29), um dos sócios da empresa, Carlos Dale Júnior, foi denunciado pelo MPF por lavagem de dinheiro. De acordo com as investigações, ele ajudou Márcio Lobão a ocultar R$ 160 mil, que teriam sido provenientes de propina, por meio da compra de um quadro.

A Galeria Almeida & Dale disse, por meio do advogado Ralph Tórtima Stettinger Filho, que “apenas atuou na intermediação de compra e venda de obras de arte e, no menor tempo possível, estará fornecendo todos os esclarecimentos necessários de sorte a evidenciar a regularidade dessas operações”.

Ao G1, a defesa do ex-senador disse que não vai comentar o pedido do MPF.

Na tabela encontrada na galeria, o nome de Luiz Estevão aparece como comprador entre 2008 e 2018 (confira abaixo). Apesar de o MPF falar em 19 aquisições, a tabela lista 20 obras de arte. O documento também aponta que não houve emissão de notas fiscais.

Tabela apreendida em galeria de arte traz menções ao ex-senador Luiz Estevão — Foto: Reprodução
Tabela apreendida em galeria de arte traz menções ao ex-senador Luiz Estevão — Foto: Reprodução

Segundo o MPF, “em rápida pesquisa na internet foi possível localizar diversas menções que dão conta de possível relacionamento entre Almeida e Dale Galeria de Arte e seu sócio, ora denunciado, Carlos Dale, com o ex-senador Luiz Estevão”.

No pedido, a força-tarefa da Lava Jato também lembra que Luiz Estevão foi condenado por desvios de recursos públicos na construção do prédio da Justiça do Trabalho de São Paulo, e pede o compartilhamento do material para adoção das “providências que forem julgadas cabíveis”.

MPF investiga compra de obras de arte por Luiz Estevão — Foto: Reprodução
MPF investiga compra de obras de arte por Luiz Estevão — Foto: Reprodução

Denúncia contra Lobão

O pedido do MP foi apresentado à Justiça junto a denúncia contra o ex-ministro Edison Lobão e o filho dele, Márcio Lobão, além de outras sete pessoas. O grupo é acusado de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, em contratos de mais de R$ 1,5 bilhão da Transpetro.

Segundo a denúncia, parte da propina recebida teria sido lavada por meio da compra de obras de arte em galerias. O MPF afirma que os acusados pagavam valores muito acima dos declarados pela compra das obras.

Luiz Estevão

Ex-senador Luiz Estevão é levado a presídio em São Paulo/GNews — Foto: Reprodução GloboNews

Ex-senador Luiz Estevão é levado a presídio em São Paulo/GNews — Foto: Reprodução GloboNews

O ex-senador Luiz Estevão está preso desde março de 2016, após ser condenado a 26 anos de reclusão, por corrupção ativa, estelionato e peculato.

A Justiça entendeu que ele desviou recursos durante a construção do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo. O prejuízo aos cofres públicos foi estimado em R$ 169 milhões.

Em abril deste ano, após cumprir um sexto da pena, ele conseguiu direito ao regime semiaberto. Atualmente, o ex-senador trabalha em uma imobiliária de Brasília, que funciona em um escritório no Centro Empresarial Brasil 21.

À noite, o empresário volta para o Complexo Penitenciário da Papuda. Pelo trabalho, ele recebe R$ 1,8 mil para realizar tarefas administrativas.

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios