Lava JatoPolícia

Lava-Jato mira multinacional, ex-dirigentes da Petrobras e bloqueia R$ 1,7 bi de alvos

Investigações apuram a participação de executivos da Techint em um cartel que teria pago propina a funcionários de alto escalão da estatal

RIO E SÃO PAULO — A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quarta-feira, a 67ª Fase da Lava-Jato , que mira a multinacional Techint, investigada por repassar propina a ex-diretores e ex-gerentes da Petrobras . Foi determinada ordem judicial de bloqueio de ativos financeiros dos investigados no valor de cerca de R$ 1,7 bilhão. Agentes tentam cumprir 23 mandados de busca e apreensão em três estados.

Denominada  Tango & Cash, a operação acontece no Rio de Janeiro (capital, Petrópolis, na Região Serrana, e Niterói), São Paulo (capital, Campinas e Barueri) e no Paraná ) Matinhos). A ação tem cooperação do Ministério Público Federal.

As investigações apuram a participação de executivos da Techint em um cartel de empreiteiras que teria pago propina a funcionários de alto escalão de três diferentes diretorias da Petrobras. O objetivo seria a contratação da empresa para o fornecimento de tubos e equipamentos. Ex-funcionários da estatal são também investigados por corrupção e lavagem dinheiro, e seus intermediários, incluindo duas empresas de consultoria.

Foram identificados elementos de cartel nos contratos para realizar obras na Refinaria Landulpho Alves, na Bahia, a partir de 2007, e no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, em 2010, ambas em consórcio com a Andrade Gutierrez, e para construir o Gasduc III, no Rio Janeiro, em 2008, esta em consórcio com o Grupo Odebrecht. Somente esses três contratos somaram mais de R$ 3,3 bilhões.

Investigada desde 2016, a Techint era uma das empreiteiras envolvidas na Lava-Jato que haviam sido impedidas de firmar contratos com a União, mas teve sua punição revertida pelo Tribunal de Contas da União (TCU). A suspeita é que a empresa integrava desde o início o cartel de nove empreiteiras batizado de “O Clube”, que tinha por objetivo vencer licitações para grandes obras da Petrobras. Os investigadores apuram a suspeita de que eram cobrados 2% do valor de cada contrato chegando a render R$ 60 milhões em propina.

A multinacional Techint Engenharia fabrica placas de aço e tem negócios no ramo do petróleo como oleodutos, gasodutos e das usinas de energia. Há indícios que o grupo criou offshore para gerir fundos ilegais e pagar propinas em diferentes países.

Um dos ex-diretores da estatal recebeu, entre 2008 e 2013, US$ 9,4 milhões e continuou a receber propina mesmo depois de ter deixado a empresa em 2012.

O nome da operação remete aos valores de pagamento das propinas e ao fato de que a empresa envolvida na investigação pertence a um grupo ítalo-argentino.

Via
O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios