Lava Jato

Lava-Jato prende perito judicial que superfaturava laudos para Fetranspor

De acordo com os investigadores, ele recebeu ao menos R$ 4,9 milhões da Fetranspor em propina

Agentes da Polícia Federal e procuradores do Ministério Público Federal (MPF) prenderam nesta quinta-feira,  no bairro de Icaraí, em Niterói, o perito judicial Charles Fonseca William em uma nova fase da Lava-Jato. Ele é acusado de,  em troca de propina, fraudar laudos para favorecer empresas de ônibus e a outros clientes, superfaturando valores apurados em seus trabalhos no Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), entre outras manobras contábeis. De acordo com os investigadores, ele recebeu ao menos R$ 4,9 milhões da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio (Fetranspor) entre 31 de maio de 2012 e 21 de maio de 2015.

Veja também: Fenômeno na internet, ‘Bunitinho’ morre baleado na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio

A função do perito no Tribunal de Justiça é apresentar relatórios técnicos para que sejam usados como prova em processos judiciais. Contratado por empresas de ônibus para apresentar laudos em cobranças de indenizações, Charles superfaturava os valores a serem pagos e recebia propina por isso. Ele vai responder pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro e terá os todos os seus bens bloqueados.

Em um dos casos de indenizações superfaturadas, os investigadores citam um decreto do ex-governador Anthony Garotinho de 1999 que reduzia as tarifas de ônibus em 15%. Após a Justiça considerar o decreto inconstitucional, uma avalanche de processos de indenização movida pelas empresas cobrava a diferença de preço pelo tempo que vigorou a medida. Os empresários, então, vislumbraram uma oportunidade de superfaturar os pedidos contratando Charles para apresentar laudos muito acima do que deveria ser cobrado.

Veja também: Japão lança plano de estímulo de US$ 121,5 bi para evitar que país entre em recessão em 2020

Carro da PF deixa condomínio de luxo no bairro de Icaraí, em Niterói, onde prendeu o perito judicial Charles Fonseca William em uma nova fase da Lava-Jato Foto: Pablo Jacob / O Globo
Carro da PF deixa condomínio de luxo no bairro de Icaraí, em Niterói, onde prendeu o perito judicial Charles Fonseca William em uma nova fase da Lava-Jato Foto: Pablo Jacob / O Globo

A operação desta quinta-feira, que também cumpre mandados de busca e apreensão na firma do perito, e em outros endereços ligados ao esquema, é baseada nas colaborações premiadas de Lélis Teixeira, ex-executivo da Fetranspor, de Marcelo Traça, ex-presidente o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio (Setrerj), e de Álvaro José Novis, operador financeiro da Fetranspor no esquema de propina comandado pelo ex-governador Sérgio Cabral.

A prisão preventiva de Charles Fonseca William, foi autorizada pelo juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Federal Criminal do Rio.

De acordo com a força-tarefa da Lava Jato no Rio, somente em uma das ações, citada no inquérito, Charles William teria calculado uma indenização irregular de R$ 57,9 milhões, posteriormente cobrada pela Auto Comercial Tupi ao governo do Estado por conta de um congelamento ilegal das tarifas de ônibus. Agentes da Polícia Federal e procuradores da República estão, agora, na casa de William, em Niterói, com o objetivo de prendê-lo.

Em nota, a Fetranspor afirmou que a atual administração desconhece a ocorrência de supostos fatos relacionados à gestão anterior e está “comprometida em colaborar com as investigações em andamento e cumprir as determinações judiciais”.

Via
O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios