JustiçaLava Jato

Luiz Estevão é condenado a pagar multa de R$ 40 mil por desmatamento irregular

Ex-senador foi sentenciado por retirar cerca de 2 mil metros quadrados de cerrado de área de preservação. Não cabe recurso da decisão.

O ex-senador Luiz Estevão foi condenado a pagar multa de R$ 40 mil por crime ambiental. Segundo a acusação, o empresário desmatou, irregularmente, cerca de 2 mil metros quadrados de cerrado em uma fazenda de sua propriedade, no Paranoá, Distrito Federal. A região também faz parte de uma unidade de conservação ambiental.

A decisão é resultado de um processo penal que tramita desde 2008 na Justiça do Distrito Federal. A ação já foi analisada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e não cabe mais recurso.

A multa de R$ 40 mil substitui pena de 6 meses de reclusão à qual o ex-senador foi inicialmente condenado pelo crime ambiental.

Segundo a decisão judicial, Luiz Estevão ainda pode decidir se prefere pagar a multa ou adicionar o tempo de prisão à pena de 26 anos de detenção que já cumpre em regime semiaberto (veja mais abaixo).

Acionada pela reportagem, a defesa do ex-senador não quis se manifestar sobre o assunto.

O valor da multa foi fixado no último dia 29 de novembro, pelo juiz Gilmar Tadeu Soriano, da Vara de Execuções Penais do DF. A decisão ocorre 11 anos após a instauração de inquérito pela Polícia Civil do DF.

Em 2014, o Ministério Público do DF (MPDFT) apresentou denúncia. Segundo a acusação, Luiz Estevão, “ao realizar o plantio de grãos, promoveu a retirada irregular de 2 mil m² de vegetação típica de cerrado em áreas inseridas na Unidade de Conservação da Área de Proteção Ambiental (APA) do Planalto Central sem licença ou autorização dos órgão competentes”.

O Ministério Público afirma que o desmatamento realizado pelo ex-senador na fazenda Manga ou Estiva provocou “danos diretos e indiretos ao meio ambiente, além de impedir, com tal conduta, a regeneração natural da vegetação ali existente”.

Ex-senador Luiz Estevão é levado a presídio em São Paulo/GNews — Foto: Reprodução GloboNews

Ex-senador Luiz Estevão é levado a presídio em São Paulo/GNews — Foto: Reprodução GloboNews

Os advogados dele, por sua vez, alegavam que Luiz Estevão não administrava a fazenda à época do desmatamento irregular e, por isso, não deveria ser responsabilizado.

Em maio de 2016, o empresário foi condenado em primeira instância. Como a pena fixada foi inferior a quatro anos, a juíza Ana Letícia Martins Santini substituiu a pena de prisão por multa a ser definida.

A defesa de Luiz Estevão recorreu mas, em janeiro de 2017, a decisão foi mantida em segunda instância. O ex-senador também apresentou recursos ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas os pedidos também foram rejeitados.

Com o fim da possibilidade de recursos, o processo foi enviado à Vara de Execuções Penais para a fixação do valor da multa.

Prisão

O ex-senador Luiz Estevão, ao chegar à PF em São Paulo após ordem de prisão — Foto: Marco Ambrosio/Estadão Conteúdo

O ex-senador Luiz Estevão, ao chegar à PF em São Paulo após ordem de prisão — Foto: Marco Ambrosio/Estadão Conteúdo

O ex-senador Luiz Estevão está preso desde março de 2016, após ser condenado a 26 anos de reclusão, por corrupção ativa, estelionato e peculato.

A Justiça entendeu que ele desviou recursos durante a construção do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo. O prejuízo aos cofres públicos foi estimado em R$ 169 milhões.

Em abril deste ano, após cumprir um sexto da pena, ele conseguiu direito ao regime semiaberto. Atualmente, o ex-senador trabalha em uma imobiliária de Brasília, que funciona em um escritório no Centro Empresarial Brasil 21.

À noite, o empresário volta para o Complexo Penitenciário da Papuda. Pelo trabalho, ele recebe R$ 1,8 mil para realizar tarefas administrativas.

Via
FONTE: G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios