Política

Maia grava vídeo para ato em apoio a Glenn Greenwald

Presidente da Câmara dos Deputados afirma que Constituição garante sigilo da fonte e compara vazamentos cometidos por hackers e por agentes públicos: “Os dois estão cometendo atos ilícitos”.O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), gravou nesta terça-feira (30/07) um vídeo para o ato organizado pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI) em apoio ao jornalista Glenn Greenwald e ao site The Intercept Brasil.

Na mensagem, Maia defendeu a liberdade de expressão e afirmou que a Constituição determina o sigilo da fonte. O deputado comparou ainda os vazamentos cometidos por hackers e por agentes públicos e afirmou que os dois casos são ilegais.

“No país, no nosso Brasil democrático, no nosso Estado democrático de direito, o sigilo da fonte é um direito constitucional. A partir daí, temos que discutir, de fato, um hacker que pegou de forma ilegal, ilícita, criminosa, dados de terceiros. Precisa ser punido. Investigado, descoberto, e aí sim, punido”, disse Maia.

No vídeo, o deputado lembra que agentes públicos que vazam informações sigilosas também estão cometendo crimes. “Todos os dois estão cometendo atos ilícitos”, ressalta. Maia afirma ainda que assim como o agente público que repassa informações a meios de comunicação, o hacker também está protegido pelo sigilo.

“O sigilo da fonte é um direito democrático. Não é a favor do Glenn, mas é a favor da nossa liberdade de expressão”, finalizou.

O ministro da Justiça, Sergio Moro, e membros da Lava Jato estão envolvidos num escândalo que começou em 9 de junho, quando o Intercept, fundado por Greenwald, e outros parceiros da mídia começaram a divulgar reportagens que colocam em questão a imparcialidade da maior operação contra a corrupção no país.

As apurações apontam que Moro teria orientado procuradores da Lava Jato, indicado linhas de investigação e adiantado decisões enquanto era juiz responsável por analisar os processos do caso em primeira instância.

Se confirmadas, as denúncias indicam uma atuação ilegal do antigo magistrado e dos procuradores brasileiros porque, segundo a legislação do país, os juízes devem manter a isenção e, portanto, estão proibidos de auxiliar as partes envolvidas nos processos.

Moro e os procuradores da Lava Jato negam ter cometido irregularidades e fazem críticas às reportagens do Intercept, afirmando que são sensacionalistas e usam conversas que podem ter sido adulteradas e foram obtidas através de atos ilegais na internet.

Antes de se tornar alvo de vazamentos, Moro defendia a divulgação de informações sigilosas para a imprensa. O então juiz se envolveu diretamente no episódio da divulgação dos grampos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que acelerou a derrocada do governo Dilma Rousseff, em março de 2016.

Na semana passada, a polícia brasileira prendeu quatro suspeitos de terem praticado pirataria cibernética contra autoridades do país. Um deles diz ter sido o responsável por enviar a Greenwald as mensagens obtidas em celulares hackeados.

Greenwald sempre afirmou ter recebido as mensagens de fonte anônima. Neste fim de semana, contudo, o presidente e alguns ministros exigiram sua prisão, alegando estarem certos que o jornalista estaria por trás dos ciberataques que deram acesso às mensagens.

“Talvez ele pegue uma cana aqui no Brasil”, disse Bolsonaro. Na segunda-feira, representantes do governo reforçaram a ofensiva, acusando Greenwald de práticas ilegais para aquisição das gravações dos chats.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios