DestaquePolítica

Major Olímpio provoca tumulto em evento de João Doria com a polícia

Senador acusou governador de convocar policiais para fazer selfie e promete repetir protestos

SÃO PAULO — O governador João Doria enfrentou um tumulto na inauguração da sede do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (Dope), em São Paulo, na manhã desta segunda-feira. Ao chegar ao evento, o governador foi recebido com protesto encabeçado pelo senador Major Olímpio e pelo deputado federal Coronel Tadeu, ambos do PSL.

Nas redes sociais, o senador disse que o governador João Doria escalou policiais para participarem do evento e “ficarem horas aguardando para que ele fizesse uma foto”. Segundo Major Olímpio, Doria queria fazer selfies com os policiais e convocou mais de uma centena deles para o evento.

— Chamou os policiais para um evento fechado, ainda mais nesse momento de coronavírus. Eu não fui convidado e fiquei na calçada com minha caixa de som. Eu queria que ele parasse, mas ele não parou — disse o senador.

 

O parlamentar disse que Doria passou “pisando duro”. Contou que Doria o acusou de não ter compostura e afirmou que aquela não era uma atitude de senador.

Major Olímpio, por sua vez, aos gritos, chamou o governador de vagabundo e o acusou de agir como moleque. Na confusão, foi contido e empurrado por seguranças, depois expulso do local.

Sobre os empurrões, disse que isso não o aborrece:

— A mim não aborrece. Não posso me queixar. Mas ele não perde por esperar. Não vai ter evento de segurança que eu não esteja lá para protestar. Fiz isso com o Geraldo Alckmin durante quatro anos e ele terminou a eleição com 4% dos votos. O Doria vai terminar com menos do que isso — prometeu Major Olímpio.

O senador disse que não é comum policiais irem a eventos deste tipo, pois trabalham com escalas diferentes. Segundo ele, os policiais foram para atender ao chamado do governador.

Por meio de nota, o governador João Doria afirmou que, neste momento, está preocupado com a saúde dos brasileiros que moram em São Paulo e que o senador deveria “honrar o seu mandato e fazer o mesmo”.

“Não é hora de fazer proselitismo político eleitoral. É um desrespeito ao povo de São Paulo um senador da República que vira as costas para o grave tema da saúde pública. E quer fazer campanha política, ideológica e sindical na hora errada”, afirmou o governador na nota.

O Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindesp), por sua vez, diz “repudiar de forma veemente” a reação da escolta de Doria. “O senador estava presente para se manifestar democraticamente, quando foi agredido e retirado à força do local pela escolta poucos momentos após a chegada do governador João Doria”, informou o comunicado.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios