DestaqueNotíciasSaúde

Mandetta diz que médicos podem prescrever cloroquina se assumirem os riscos

Ministro da Saúde diz que, no entanto, ainda é cedo para ministério recomendar uso amplo da cloroquina

BRASÍLIA – O ministro da Saúde, Henrique Mandetta, disse nesta terça-feira que o Ministério da Saúde não vai tomar medidas contra médicos que prescreverem medicamentos à base de cloroquina para o tratamento de pacientes em estágios iniciais da Covid-19, mas afirmou que ainda é cedo para que o órgão faça um recomendação neste sentido.

– Se ele (médico) se responsabilizar individualmente, não tem óbice nenhum. Ninguém vai reter a receita de ninguém. Agora, para que nós possamos, no Ministério da Saúde, assinar que o ministério recomenda que se tome essa medida, nós precisamos de um pouco mais de tempo para saber se isso pode se configurar em coisa boa ou se isso pode ter algum efeito colateral – afirmou Mandetta.

Os efeitos dos medicamentos à base de cloroquina em pacientes vítimas da Covid-19 estão sendo estudados em diversos lugares do mundo, inclusive no Brasil. O presidente Jair Bolsonaro é um dos principais defensores do uso da substância em pacientes da doença. Mandetta, no entanto, vem reforçando que ainda é cedo, diante da escassez de estudos sobre o assunto, recomendar o uso amplo desses medicamentos.

A declaração de Mandetta acontece um dia depois de ele ter se recusado a endossar um decreto que estava sendo preparado pelo governo liberando profissionais da saúde (médicos e enfermeiros) e pacientes graves da doença a usar a cloroquina.

Em entrevista coletiva na segunda-feira, Mandetta disse que foi levado a uma sala no Palácio do Planalto onde tentaram lhe convencer a endossar o decreto.

– Me levaram, depois da reunião lá, para uma sala com dois médicos que queriam fazer protocolo de hidroxicloquina por decreto. Eu disse a eles que é super bem-vindo, os estudos são ótimos. É um anestesiologista e uma imunologista que lá estavam – disse Mandetta na segunda-feira durante entrevista coletiva.

Os médicos em questão eram Nise Yamaguchi e Luciano Dias Azevedo. Nise é um dos nomes cotados para substituir Mandetta no cargo.

Leia mais: 

Novos estudos

O Ministério da Saúde informou que acompanha nove estudos a fim de obter novos tratamentos para a Covid-19, que, segundo o boletim desta terça-feira da pasta, já infectou 13.717 pessoas no Brasil, matando 667. Mais de 100 centros de pesquisa, como universidades federais e hospitais, estão envolvidos. De acordo com o ministério, participam dos estudos 5 mil pacientes com sintomas leves, moderados e graves.

Além da cloroquina e hidroxicloroquina, em combinação com o antibiótico Azitromicina, outras substâncias estão sendo analisadas. Entre elas estão: o Lopinavir e Ritonavir, usados contra o HIV; esses mesmos dois remédios, em conjunto com a substância Interferon beta-1b, usada no tratamento de esclerose múltipla; e o Antiviral Remdesivir, para o ebola. Nas próximas semanas, estudos com outras substâncias deverão ser iniciados, entre eles um que usa material do sangue de pacientes curados.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios