EducaçãoGeral

MEC anuncia que reativará 3.182 bolsas da Capes

Com a medida, número de incentivos cortados neste ano cai de 11,8 mil para 8,6 mil, atingindo cerca de 9% do total ofertado no início do ano

BRASÍLIA – O ministro da Educação, Abraham Weintraub , anunciou que a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior ( Capes ) reativará 3.182 bolsas vinculadas a cursos de pós-graduação com as notas máximas (5 a 7). Com isso, o número de incentivos cortados pela agência de fomento neste ano cai de cerca de 11,8 mil para 8,6 mil – equivalente a aproximadamente 9% do total de bolsas de pós ofertadas pelo órgão no início deste ano.

Weintraub informou que obteve recursos para garantir a reativação das bolsas ainda este ano em reunião com integrantes do Ministério da Economia nesta terça-feira. Em 2019, as 3.182 bolsas representarão um investimento de R$ 22,4 milhões. Segundo ele, as bolsas já estarão sendo ofertadas “a partir de amanhã”.

O MEC anunciou ainda ter obtido mais R$ 600 milhões para o orçamento da Capes no ano que vem, que sofreu uma queda expressiva, de cerca de 50% na proposta orçamentária enviada ao Congresso, em relação aos R$ 4,2 bilhões de dotação deste ano.

Com o dinheiro extra, segundo o presidente da Capes, Anderson Correia, será possível garantir em 2020 todas as bolsas atualmente vigentes e mais as 3.182 que serão reativadas. No total, a fundação ligada ao MEC tem atualmente cerca de 92 mil bolsistas de pós-graduação (mestrado, doutorado e pós-doutorado) e 119 mil de formação de professores da educação básica. Novos editais para o ano que vem, no entanto, ainda não estão garantidos.

– Outras negociações estão em andamento para garantir novas bolsas – disse Correia, que participou da coletiva.O ministro da Educação afirmou que a prioridade foi reativar bolsas de cursos de pós-graduação com as melhores notas “porque são os que dão maior retorno para a sociedade”. Weintraub reclamou de matérias na imprensa sobre os impactos dos cortes de bolsas para a ciência, dizendo se tratar de “terror e pânico que em nada ajuda”. E se mostrou incomodado com a publicação de um ofício , nos veículos de comunicação, enviado por ele ao Ministério da Economia com erros de português, como “paralização”, cuja grafia correta é “paralisação”.

 

– Saiu do MEC é meu o erro, apesar de que não fui eu que escrevi – assinalou.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios