Saúde

Médico é acusado de negar atendimento a idosa de 85 anos

Nancyr Ávila Leoneti foi levada em estado grave para a Santa Casa de São Joaquim da Barra e teve uma parada cardíaca

SOROCABA – A Polícia Civil abriu inquérito para investigar denúncia de que um médico teria negado atendimento a uma idosa por ter 85 anos e não compensar “investir” na saúde dela. A mulher, Nacyr Ávila Leoneti, moradora de Ipuã, no interior de São Paulo, havia sido levada em estado grave à Santa Casa de São Joaquim da Barra, cidade próxima, quando teve uma parada cardiorrespiratória. De acordo com a denúncia, após se referir à idade dela — “tem 85 anos, não compensa investir” — o médico comentou que “quando a gente quer que a paciente morra, ela não morre”.

Os fatos se passaram no dia 22 de agosto e o médico Luiz Octávio Villena, que faz parte do corpo clínico da Santa Casa, é investigado. Ele diz que é vítima de acusação falsa e que vai processar os denunciantes. A idosa foi levada pela família para o pronto-socorro de Ipuã desidratada e com falta de ar. Após receber atendimento, foi decidida a transferência, de ambulância, para a Santa Casa de São Joaquim da Barra.

A idosa foi acompanhada pela equipe do pronto-socorro, inclusive o médico plantonista. Na chegada ao hospital, a paciente sofreu a parada cardiorrespiratória, mas o médico Luiz Octávio não teria adotado o protocolo de reanimação, alegando que ela estava morrendo. Foi quando teria feito os comentários, segundo a acusação.

O delegado Gustavo de Almeida Costa informou que a apuração será de tentativa de homicídio. “Temos a versão do médico plantonista que conduzia a paciente e da enfermeira que ficou com eles na emergência. Também colhemos depoimentos da técnica de enfermagem que estava na ambulância e da neta da mulher. São quatro pessoas que corroboram a versão de que o médico Luiz Octávio teria desejado a morte da paciente. O dever do médico é impedir a morte, se a favorece, é tentativa de homicídio”, disse.

Ainda segundo o delegado, ouvido informalmente, o médico negou de forma veemente a denúncia. “O que ele afirma é que houve falha da equipe que apresentou a paciente, tanto na omissão do real quadro de saúde dela, pois estava entubada, quanto na aplicação de um sedativo que não podia ser dado. Na versão do indiciado, ele salvou a vida da idosa.” Segundo o delegado, não há câmeras de monitoramento no setor de emergência, onde se deu a discussão entre a equipe de Ipuã e o médico da Santa Casa. “Uma enfermeira do hospital teria presenciado a situação, por isso vamos ouvi-la também.”

A versão de Villena é contestada pela coordenadora do pronto-socorro de Ipuã, Franciele Costa. “Ele avaliou que a paciente estava em óbito, disse que a gente tinha levado a paciente para ele em óbito. Foi quando falou que, pela idade dela, não valia a pena investir, pois ela tinha 85 anos.” Segundo Franciele, ela e o médico de Ipuã fizeram massagens para reanimação da paciente, que acabou se recuperando. Villena teria se limitado a acompanhar o monitor cardíaco para ver se a paciente morria. A idosa seguia internada, nesta quarta-feira, 4, sob os cuidados de outro médico.

Procurado pelo Estado, Villena negou as acusações e pediu que fosse contatado o advogado Alexandre Nader, do departamento jurídico da Santa Casa, que também atuará em sua defesa. Nader disse que seu cliente havia chamado a atenção da equipe de Ipuã por ter omitido, durante a solicitação de vaga na emergência, a informação de que a paciente estava entubada. “Ela chegou de tal forma que foi preciso fazer uma ressuscitação e, de fato, o doutor Luiz Octávio chegou a dizer que ela estava morta, pois não apresentava os sinais vitais.”

Conforme o advogado, o médico da Santa Casa questionou a aplicação de sedativo na paciente pouco antes da chegada ao hospital, pois o medicamento poderia matá-la. “Houve uma discussão com o médico de Ipuã e ele iniciou o processo de reanimação, ajudado pela enfermeira. A equipe do hospital conseguiu estabilizar a paciente. Aconteceu uma discussão sobre questões técnicas entre eles, mas em nenhum momento o doutor Villena disse o que a equipe de Ipuã está alegando.”

Ainda segundo o advogado, ele vai pedir a abertura de inquérito por denunciação caluniosa contra as pessoas que estão acusando seu cliente. A prefeitura de Ipuã informou que a Secretaria Municipal de Saúde tomou as providências que o caso exige e acompanha a apuração da polícia.

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) informou, em nota, que instaurou sindicância para apurar o caso e os trabalhos seguem sob sigilo determinado por lei. “Será concedido amplo direito de manifestação às partes envolvidas. Caso a sindicância aponte indícios de infração ética, que consiste no descumprimento de algum artigo do Código de Ética Médica, será aberto processo ético-profissional”, informou.

Via
Estadão
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios