Internacional

Menina síria morre após salvar irmã de 7 meses; bombardeio destruiu casa da família

O momento em que uma menina síria de 5 anos, identificada como Riahm, salva sua irmã de 7 meses, denominada Touka, após um bombardeio na cidade de Ariha, realizado pelo governo sírio ou russo, foi registrado numa fotografia que está repercutindo na imprensa internacional.

A bebê, que na imagem aparece pendurada por sua camisa verde, prestes a cair, está internada em tratamento intensivo num hospital da região, na província de Idlib, no Noroeste do país, onde forças de Bashar al-Assad visam a recapturar o último bastião detido pelos rebeldes. Segundo os médicos, ela sofreu um traumatismo craniano. A que conseguiu agarrá-la, porém, não resistiu aos ferimentos e morreu na quarta-feira.

No episódio, morreu também a mãe das garotas, Asmaa. Uma das cinco irmãs das meninas, chamada Dalia, foi levada à mesma unidade de saúde, onde está estável depois de passar por uma cirurgia no peito. Duas outras irmãs, que também ficaram feridas, sobreviveram. No entanto, a pequena Rowan, de 3 anos, morreu devido a ferimentos no estômago e no peito.

Um vídeo transmitido nesta quinta-feira pelo site de notícias sírio “SY24” mostra o pai das meninas, Abdullah, subindo pelas ruínas de sua casa destruída no ataque aéreo enquanto tenta alcançar as três filhas feridas. É possível observar sua expressão de sofrimento ao ver a filha mais nova pendurada nos destroços pela camisa verde que vestia. Perto dela, a criança de 5 anos consegue puxá-la para impedir que despencasse.

O autor das imagens, Bashar al Sheikh, um fotógrafo de Kafr Nabudah, relatou que “havia poeira em todos os lugares no ar e as pessoas gritavam por ajuda”.

“Eu pude ver as crianças se agarrando umas às outras”, contou ao jornal britânico “The Independent”. “O pai estava gritando: ‘Não se mexa! Não se mexa!’. A criança mais velha ainda estava agarrada ao bebê. Nós os apressamos para o hospital al-Shami, mas eles estavam ficando sem suprimentos de sangue e tiveram que levá-las ao hospital Idlib. Eu fiquei com as crianças, rezando para que elas ficassem em segurança”.

De acordo com a organização Save the Children, mais crianças perderam a vida nas últimas quatro semanas do que em todo o ano de 2018. A instituição de caridade disse nesta quarta-feira que pelo menos 33 crianças foram mortas desde 24 de junho, em comparação com 31 durante todo o período do ano passado.

O exército sírio, apoiado pela Rússia, lançou uma ofensiva no final de abril com o objetivo de retomar as principais estradas e rotas comerciais em torno de Idlib e do Norte de Hama, que o governo considera vital para consolidar seu controle sobre o Norte do país.

As Nações Unidas disseram que esta segunda-feira foi um dos dias mais letais para os civis desde que a ofensiva começou há quase três meses. Pelo menos 59 civis foram mortos e mais de 100 pessoas ficaram feridas, após uma sucessão de ataques aéreos em Idlib.

Sonia Khush, porta-voz da Save the Children na Síria, chamão a situação na província de “pesadelo”.

“É claro que mais uma vez as crianças foram mortas e feridas em ataques indiscriminados”, disse ela. “As crianças do Noroeste da Síria foram apanhadas em conflito violento por 80 dias sem pausa. Eles não têm educação, alimentação, saúde e são forçados a dormir debaixo das árvores em campos abertos há meses”, acrescentou.

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios