Política

Ministros do STF veem ‘exagero’ em decisão que determina depoimento presencial de Bolsonaro

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) criticaram, de maneira reservada, a decisão do decano Celso de Mello em determinar que o presidente Jair Bolsonaro deponha presencialmente no inquérito que apura suposta interferência na Polícia Federal. A investigação foi aberta com base nas declarações de Sergio Moro, quando deixou o governo.

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) criticaram, de maneira reservada, a decisão do decano Celso de Mello em determinar que o presidente Jair Bolsonaro deponha presencialmente no inquérito que apura suposta interferência na Polícia Federal. A investigação foi aberta com base nas declarações de Sergio Moro, quando deixou o governo.

Quatro ministros criticaram a decisão de Celso. Um deles classificou a medida como “exagerada” e apontou precedentes, como o do ex-presidente Michel Temer, que depôs por escrito. Outro magistrado afirmou que a decisão coloca o chefe do executivo como “submisso” ao Judiciário, indo contra o que o próprio presidente da Corte, Luiz Fux, disse em sua posse.

Um terceiro magistrado classificou a decisão como “inoportuna e fora de hora”. Ele afirma que uma medida dessas nunca existiu e pode dar munição para o discurso bolsonarista de que o presidente é “vítima” de outros poderes.

A expectativa entre aliados do presidente é que a Advocacia-Geral da União (AGU) recorra da decisão de Celso de Mello, e com isso, o plenário da Corte pode analisar como deve ser o depoimento de Bolsonaro no caso. Integrantes do Palácio acreditam que a decisão tem chances de ser revertida.

Via: Colunista Megale

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios