DestaquePolítica

Moro pede Lei de Segurança Nacional para Lula e PF ouve ex-presidente

Base da acusação é uma afirmação do petista que sugere que o presidente Jair Bolsonaro seja um 'miliciano'

BRASÍLIA – O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, pediu à Polícia Federal (PF) a abertura de um inquérito para investigar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com base num enquadramento na Lei de Segurança Nacional. A lei e os instrumentos legais que antecederam a lei foram usados pela ditadura militar para enquadrar e perseguir opositores, entre 1964 e 1985.

 

A PF ouviu Lula na manhã desta quarta-feira, três meses depois do pedido feito por Moro. O depoimento foi colhido por um delegado da PF. A base da acusação é uma afirmação do ex-presidente que sugere que o presidente Jair Bolsonaro seja um “miliciano”.

A assessoria de Moro confirmou que o ministro solicitou a abertura de investigação. O ministro encaminhou uma representação à PF pedindo a abertura do inquérito. No pedido, ele sugeriu o enquadramento em dois crimes: crime contra a honra, previsto no Código Penal, e crime de calúnia ou difamação do presidente da República, “imputando-lhe fato definido como crime ou fato ofensivo à reputação”. Este último crime está previsto no artigo 26 da Lei de Segurança Nacional, e prevê pena de prisão de um a quatro anos.

A fala que originou o pedido de Moro e a abertura de inquérito ocorreu num encontro entre Lula e o Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB), em novembro do ano passado. O movimento divulgou um vídeo da fala do ex-presidente.

– A direita está tentando destruir tudo que fizemos. Aqui no Brasil nós vamos ter de levantar a cabeça e lutar. Não é possível que um país do tamanho do Brasil tenha o desprazer de ter no governo um miliciano responsável direto pela violência contra o povo pobre, responsáveis pela morte da Marielle, responsável pelo impeachment da Dilma, responsáveis por mentirem a meu respeito – disse Lula no vídeo.

Os parlamentares petistas criticaram a iniciativa de Moro. O depoimento à PF durou cinco minutos, segundo eles.

– Lula fazia uma avaliação política. Foi absurda a audiência de hoje, é absurdo Moro usar a Lei de Segurança Nacional. No depoimento, Lula questionou por que Moro nada fez quando o filho do presidente disse que poderia fechar o STF com um cabo e um soldado (fala dita pelo deputado Eduardo Bolsonaro). E Moro vai utilizar essa mesma lei contra general Heleno (ministro do Gabinete de Segurança Institucional, GSI), que hoje fez ofensas ao Congresso Nacional, dizendo que colocaria o povo contra o Congresso? – questionou a deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR).

Depoimento à Justiça

Após prestar o depoimento à PF pela manhã, Lula compareceu no começo da tarde a uma audiência na 10ª Vara Federal em Brasília, para um novo depoimento, na condição de réu. O ex-presidente é acusado de recebimento de propina em troca de uma medida provisória favorável ao setor automobilístico, editada em 2009, no penúltimo ano de seu segundo mandato. O processo é referente à Operação Zelotes.

Lula seria ouvido na semana passada, mas conseguiu um adiamento da audiência em razão de seu encontro com o papa Francisco, no Vaticano. O depoimento durou uma hora.

O ex-presidente voltou a dizer que Ministério Público Federal (MPF) e PF mentem. Ele admitiu ter se encontrado com o lobista Mauro Marcondes, réu no mesmo processo, acusado de ter intermediado os interesses do setor, mas disse que encontros na Presidência nunca aconteceram sem a presença de outros empresários e representantes de entidades do setor automobilístico.

– Essa medida provisória tem origem nas brigas dos governadores do Nordeste, de Goiás, que tinham interesse em levar a indústria automobilística para lá. Uma MP passa pela Casa Civil. Quando pronta, vai ao Congresso. Essa MP foi aprovada por unanimidade na Câmara e no Senado. Gerou possibilidade de o Nordeste poder competir. Não imaginei que essa acusação fosse pra frente. Alguém levou dinheiro: o povo do Nordeste e de Goiás – disse Lula.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios