Justiça

MPRJ diz que Dodge usou ‘argumentação falaciosa’ e causou ‘prejuízos incomensuráveis’ ao caso Marielle

Promotora diz que ex-PGR fez 'alegações desarrazoadas' na ação penal que cita o ex-deputado estadual Domingos Brazão como 'autor intelectual' do assassinato. PGR disse que ela se manifestou nos autos, sob segredo de Justiça.

A promotora chefe da investigação do duplo homicídio da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes fez acusações duras à ex-procuradora-geral da República Raquel Dodge. Os ataques estão registrados em um documento de 71 páginas, que corre em segredo de Justiça.

O Ministério Público (MPRJ) chega a dizer que a atuação da PGR pode municiar a defesa de acusados.

Procurada, a PGR informou que a manifestação de Dodge foi apresentada nos autos do processo, cujas peças são sigilosas. “Atualmente ela não atua mais no caso”, acrescentou o órgão.

As críticas estão registradas nas chamadas alegações finais do MPRJ no Incidente de Deslocamento de Competência (IDC) de número 24, aberto pela ministra Laurita Vaz após pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), feito em 17 de setembro do ano passado, às vésperas da saída de Dodge do cargo.

Simone Sibilio, coordenadora do Grupo de Ação e Repressão contra o Crime Organizado (Gaeco) do MPRJ, afirma, de acordo com trechos diluídos no documento, que Dodge agiu por “capricho pessoal”, usou “argumentação falaciosa”, provoca “balburdia processual”, baseou-se em “disse me disse” e traz “prejuízos incomensuráveis” ao caso, “sem conseguir enxergar o malefício que produziu”.

O processo, que analisa se toda a investigação deve sair da esfera estadual e ir para a federal, tramita em segredo de Justiça e, até a publicação desta reportagem, não possuía decisão registrada no andamento processual público do Tribunal.

Na visão da PGR, há uma “possível má conduta policial” (no Rio) e “vestígios da falta de isenção das autoridades encarregadas da investigação, que podem explicar a dificuldade em elucidar os homicídios”.

O órgão federal afirma que “manter a investigação no âmbito estadual, no contexto já provado, pode consagrar o desrespeito às obrigações internas de garantia aos Direitos Humanos”.

Já na análise do MP do RJ, tudo não passa de “um interminável disse me disse” ou “fofocadas de corredores penitenciários” que “materializam um capricho pessoal da ex-PGR”.

Debate sobre o eventual papel de Brazão no crime

Os procuradores da PGR também afirmam, citando um inquérito da Polícia Federal (PF), que há indícios de que o “verdadeiro autor intelectual do duplo homicídio é Domingos Inácio Brazão”.

Debate sobre o eventual papel de Brazão no crime

Os procuradores da PGR também afirmam, citando um inquérito da Polícia Federal (PF), que há indícios de que o “verdadeiro autor intelectual do duplo homicídio é Domingos Inácio Brazão”.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios