NotíciasSaúde

Mulher é presa após simular sintomas de coronavírus para ter atendimento prioritário em UPA do Rio

Segunda a delegada Valéria Aragão, Claudete Maria Rosa da Silva inventou que havia retornado de uma viagem a Hong Kong, província autônoma da China

RIO — Policiais da 12ª DP (Copacabana) prenderam em flagrante uma mulher que simulou estar com coronavírus na Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) de Copacabana, na noite desta sexta-feira. Segundo os agentes, Claudete Maria Rosa da Silva inventou que havia retornado de uma viagem a Hong Kong, província autônoma da China, só para conseguir prioridade no atendimento.

— Claudete, por um motivo absolutamente egoístico, concentrou a atenção e os cuidados de inúmeros profissionais da saúde que estavam atuando na UPA neste dia, mantendo por horas a narrativa fantasiosa de um recente retorno de uma viagem a Hong Kong, provocando a utilização de protocolos internacionais para o combate ao vírus, inclusive a comunicação imediata da suspeita aos órgãos competentes — diz a delegada Valéria Aragão, titular da 12ª DP (Copacabana).

O fingimento desencadeou a utilização de protocolos internacionais para o tratamento do vírus. A paciente foi de imediato isolada e submetida a uma série de exames e questionamentos, tendo insistido durante horas na falsa história sobre sua viagem como babá de uma família àquela localidade. A Vigilância Sanitária estadual e a municipal foram informadas sobre o caso e notificaram o Ministério da Saúde.

Claudete foi presa dentro da UPA após ser desmentida por familiares, que contaram que a ela não possui sequer passaporte e jamais viajou para fora do país.

Depois de ser confrontada, a mulher confirmou que teria mentido sobre a viagem para ter prioridade no atendimento. Claudete foi autuada por falsidade ideológica e no artigo 41 da Lei de Contravenções Penais (provocar alarma, anunciar desastre ou perigo inexistente, ou praticar qualquer ato capaz de produzir pânico ou tumulto).

Via
POR: O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios