DestaqueGeralPolítica

Na TV, Bolsonaro faz aceno a Maia e diz que reforma da Previdência diminuirá desigualdade social

Em pronunciamento em cadeia nacional, o presidente Jair Bolsonaro agradeceu o Congresso pela aprovação da reforma da Previdência na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara e fez um aceno ao presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

“Agradeço o empenho e o trabalho da maioria dos integrantes da comissão e também o comprometimento do presidente Rodrigo Maia”, disse Bolsonaro.
Em uma fala que durou 1 minuto e 30 segundos, o presidente disse que sem a aprovação da reforma o governo não terá dinheiro para investir em áreas como Educação, Saúde e Segurança.

“É muito importante lembrar que se nada for feito o país não terá recursos para garantir uma aposentadoria para todos os brasileiros. Sem mudanças o governo não terá condições de investir nas áreas mais importantes para as famílias como saúde, educação e segurança.”

Bolsonaro afirmou ainda que as mudanças nas regras previdenciárias permitirão a redução da desigualdade social.

“Temos certeza que a nova previdência vai fazer o Brasil retomar o crescimento, gerar emprego e principalmente a reduzir a desigualdade social, porque com a reforma os mais pobres pagarão menos. O Brasil tem pressa. Muito obrigado a todos.”

A mensagem com aceno a Maia é uma tentativa de melhorar a interlocução do Executivo com o Legislativo. Por isso, o presidente também fez uma deferência ao Congresso, exaltando o empenho dos parlamentares como um todo para a votação da medida.

O movimento de Bolsonaro para se reaproximar do presidente da Câmara teve início no começo deste mês, quando, em evento público, o presidente chamou o parlamentar de “irmão” e fez questão de posar ao seu lado em fotografias. O aceno ocorreu após ambos trocarem críticas e Maia ter dito que não ajudaria mais na articulação da reforma.

A mudança de postura ocorreu após o presidente ter sido convencido pelo núcleo militar e pela equipe econômica que Maia é essencial no processo de aprovação da mudança no regime de aposentadorias e que um conflito entre ambos poderia ameaçar a iniciativa.

Embora sejam do mesmo partido, o DEM, Maia e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, pertencem a grupos distintos da legendas e desenvolveram um clima de animosidade desde a votação do pacote de dez medidas anticorrupção, há dois anos.

Numa tentativa de reaproximação, os dois se reuniram por dois dias seguidos esta semana, para reforçar a imagem de que o governo está comprometido com a aprovação da reforma. Onyx foi a cafés da manhã na residência oficial da Presidência da Câmara na terça e na quarta.

Aprovada na CCJ na noite de terça-feira (23), a reforma previdenciária ainda está em fase inicial de tramitação. A proposta teve dificuldade nesta primeira fase, na qual teve a votação adiada pelo menos três vezes: a previsão inicial do governo era que a constitucionalidade fosse analisada até o meio de março.

Na CCJ, a proposta andou apenas depois de o governo ceder e fechar acordo com os partidos do centrão para desidratar o texto já no primeiro colegiado. A CCJ é responsável por avaliar a constitucionalidade da proposta. O governo e Maia defendiam que só se mexesse no texto na segunda fase.

A expectativa é de que, na comissão especial, o texto seja ainda mais desidratado: já há consenso entre líderes da maioria dos partidos para que sejam alterados os pontos referentes à aposentadoria rural e ao BPC (Benefício de Prestação Continuada), pago a idosos miseráveis.

Depois, se aprovada, a PEC será submetida à análise do plenário, onde precisará do apoio de pelo menos 308 deputados, em dois turnos, dos 513 deputados para seguir adiante. A previsão de aliados de Maia é que a reforma seja votada no plenário da Casa apenas no segundo semestre deste ano.

Na tentativa de angariar mais apoio para aprovação do texto, o governo ofereceu destinar um extra de R$ 40 milhões em emendas parlamentares até 2022 a cada deputado federal que votar a favor da reforma da Previdência, conforme publicou o jornal Folha de S.Paulo.

Confira o pronunciamento na íntegra: “Ontem a CCJ aprovou a constitucionalidade da proposta que cria a Nova Previdência. Agradeço o empenho e o trabalho da maioria dos integrantes da comissão e também o comprometimento do presidente Rodrigo Maia. A proposta segue agora para a Comissão especial, onde os deputados vão discutir os detalhes do projeto. O governo continua a contar com espirito patriótico dos parlamentares para aprovação da nova previdência nessa segunda etapa e também posteriormente no plenário da câmara dos deputados. É muito importante lembrar que se nada for feito o país não terá recursos para garantir uma aposentadoria para todos os brasileiros. Sem mudanças o governo não terá condições de investir nas áreas mais importantes para as famílias como saúde, educação e segurança. Temos certeza que a nova previdência vai fazer o Brasil retomar o crescimento, gerar emprego e principalmente a reduzir a desigualdade social, porque com a reforma os mais pobres pagarão menos. O Brasil tem pressa. Muito obrigado a todos”.

Via
POR FOLHAPRESS
Tags

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios