Notícias

‘Não dá para fechar um museu com uma coleção de R$ 150 milhões’, diz Carlos Gradim, diretor do MAR

Com funcionários em aviso prévio desde segunda-feira, Museu de Arte do Rio aguarda repasses em atrasos para não fechar; prefeitura promete solução ainda esta semana

RIO — Criada por Marcos Chaves, a bandeira “Vai passar” tremula desde abril no mastro do Palacete D. João VI, um dos prédios que compõem o Museu de Arte do Rio (MAR). Confeccionado em verde e rosa, o estandarte tem a inscrição-título em um dos lados e, do outro, um intrigante ponto de interrogação. A dúvida proposta pela obra de Chaves sintetiza também a situação do museu, mergulhado numa crise financeira que parece nunca passar.

Ainda que siga com sua programação normal e tenha duas exposições previstas para novembro — uma individual de Maxwell Alexandre e a instalação “Aranha”, de Louise Bourgeois — desde anteontem o que mais se escuta, dentro e fora do museu, são os rumores de seu fechamento no fim do mês. Os temores se tornaram mais fortes após a decisão do Instituto Odeon, organização social (OS) que administra o equipamento municipal desde sua abertura, em 2013, de pôr a equipe de 16 funcionários e 18 estagiários em aviso prévio, após atraso nos repasses de R$ 398 mil devidos pela prefeitura desde setembro . Segundo a OS, até o final do contrato, no fim do ano, a Secretaria Municipal de Cultura (SMC) ainda precisaria fazer um repasse de R$ 600 mil até o próximo dia 20 e outros dois, de R$ 300 mil e R$ 243 mil, até 20 de dezembro.

 

Público na exposição 'O Rio dos navegantes' Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo
Público na exposição ‘O Rio dos navegantes’ Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo

A decisão drástica veio após a saída da diretora executiva, Eleonora Santa Rosa, e do diretor cultural, Evandro Salles, além de outros oito funcionários, no início do mês . Em uma rede social, no dia 2 de novembro, Salles citou “uma profunda crise financeira e política vivida pela instituição”, o que levantou o alerta de que o MAR estaria em risco. De acordo com Carlos Gradim — fundador do Instituto Odeon e atualmente acumulando as funções de diretor presidente e diretor executivo do museu — a decisão de dar aviso prévio aos funcionários é para garantir seus direitos caso prefeitura e OS não cheguem a uma solução.

— Nossa intenção é manter o museu em funcionamento. Continuamos trabalhando na programação planejada para 2020. Mas, ao mesmo tempo, temos que preservar os direitos dos trabalhadores — diz Gradim. — Conseguimos garantir o fundo rescisório até o momento, mas a partir de agora entraríamos em uma fragilidade jurídica.

Procurado, o secretário de Cultura, Adolpho Konder, não deu entrevista. Em nota, a SMC citou a crise econômica do país, que obriga a prefeitura a trabalhar com a “realidade do que popularmente é chamado de ‘cobertor curto’”, segundo a qual para manter “as escolas funcionando, investindo na saúde, às vezes é necessário postergar outros compromissos”. A secretaria reafirmou a intenção de encontrar, junto à Fazenda, “a melhor solução financeira para que o MAR possa continuar funcionando plenamente”, e prometeu uma solução ainda esta semana.

Campanha no STF

Enquanto a prefeitura não aponta uma solução para o equipamento, o risco de seu fechamento repercute entre o meio artístico e a sociedade civil. À frente do movimento #342artes, Paula Lavigne vem conversando com outros artistas sobre a possibilidade de lançar uma campanha em defesa do museu.

— Mas defendo que o MAR entre com uma liminar e que a nossa campanha seja junto ao STF para evitar o seu fechamento — diz Paula. — Não adianta uma campanha para sensibilizar o prefeito, ele não gosta de cultura

Gradim diz acreditar no empenho de Konder junto à secretaria de Fazenda e ao prefeito sobre a importância de se manter o MAR em funcionamento, mas entende não haver mais viabilidade para a OS seguir trabalhando sem os repasses devidos, sobretudo após as reduções na casa de 25% feitas em contratos aditivos recentes. Segundo ele, o museu precisaria de uma receita de cerca de R$ 1 milhão por mês, mas atualmente vem funcionando com R$ 700 mil mensais, dos quais R$ 380 mil são destinados a custos fixos, como energia, água e manutenção. Além dos aportes da prefeitura, o museu contou em 2019 com uma receita de R$ 7,3 milhões captados junto à iniciativa privada em leis de incentivo e patrocínio — que não podem ser usados para folha de pagamento — e uma renda própria de R$ 856 mil, incluindo bilheteria e locações para eventos (números de janeiro a outubro).

— Além da preocupação dos funcionários, precisamos zelar pelo acervo criado nestes sete anos, de cerca de nove mil obras, 100% delas doadas. Não dá para simplesmente fechar um museu com uma coleção avaliada em R$ 150 milhões, nem acabar com uma equipe que tem uma memória do local, sabe como operar o museu — ressalta Gradim.

Inaugurado em 2013, o MAR segue um programa que aborda a história da cidade, levando em conta sua diversidade, simbologias e contradições. Em 60 exposições, a vida cultural carioca (e brasileira) foi explorada em diversos ângulos, em mostras de sucesso como “O Rio do samba” (2018-2019), recordista de público, com 200 mil visitantes. A vocação popular do museu também se espelha na relação com a Zona Portuária: o programa de gratuidade para moradores da região, o Vizinhos do MAR, conta com mais de 4 mil visitantes.

O MAR em números

398 mil  reais de repasse devidos pela prefeitura desde setembro

9 mil  obras no acervo doadas à instituição

2,8 milhões de visitantes  desde a abertura, em 2013

60 exposições  desde 2013

557 mil visitantes em 2019 (até 10 de novembro)

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios