Economia

Número de empresas inadimplentes chega a 6 milhões em outubro

Resultado é o maior desde 2016, diz Serasa Experian

O número de empresas inadimplentes chegou a 6 milhões em outubro deste ano, o maior da série histórica, desde 2016, quando a Serasa Experian começou a fazer o levantamento. O número é 9,1% maior do que o do mesmo mês do ano passado, quando havia 5,5 milhões de empresas nessa condição, e 0,4% maior, quando comparado com setembro deste ano. A Serasa Experian, autora do levantamento, presta serviços informativos para apoio na tomada de decisões das empresas.

Veja mais: Cliente pede exumação de dono de corretora que levou senhas de acesso a US$ 250 milhões para o túmulo

Segundo a Serasa, o indicador foi impulsionado pela negativação de companhias com cinco a dez anos de existência, que representam 30,6% de todas as organizações com contas em atraso.

O economista da Serasa Experian Luiz Rabi explicou que, enquanto os empreendimentos mais recentes buscam crédito para criar e estabilizar os negócios, os mais antigos usam os valores para crescer. De acordo com Rabi, com o crescimento econômico abaixo da expectativa em 2019, muitas empresas não conseguiram transformar os investimentos em vendas e tornaram-se inadimplentes.

Veja mais: Governo Bolsonaro lança campanha regional com slogan “Aqui é Brasil”

O setor de serviços teve representatividade de 49,8% dentre todas as organizações negativadas em outubro deste ano. Em seguida, vieram comércio (40,8%), terceiro setor (0,2%) e financeiro (0,1%).

Comparando o aumento de inadimplentes em cada setor com o resultado do ano anterior, o número de empresas do terceiro setor nessa situação aumentou 25,3%. Em seguida, vieram as dos setores financeiro (11,7%), de serviços (11,5%) e comércio (6,2%).

Via
EBC
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios