Política

‘O sangue do povo cearense está nas mãos do governador’, diz Cabo

Acusado de liderar o grupo rebelado, Cabo Sabino afirma que 'o balanço é de uma paralisação justa'.

O sangue do povo cearense está nas mãos do governador Camilo Santana, e não nas mãos do movimento”, afirma o ex-deputado Cabo Sabino (Avante), ao ser questionado sobre os 312 mortos no período em que a Polícia Militar de amotinou. Acusado de liderar o grupo rebelado ele afirma ao Estado que ‘o balanço é de uma paralisação justa’. Contra ele, recai a acusação de revolta, conspiração, incitamento e aliciamento – o crime militar de motim.

“Quem tinha o poder de negociar era o governo, não éramos nós, quem tinha o poder de resolutividade era o governo, se o governo tivesse sentado à mesa no primeiro dia, e tivesse negociado, o movimento tinha se encerrado no primeiro dia”, diz.

Sabino continua: “Mas o governo preferiu ver corpos de cearenses nas ruas, né, a negociar com os policiais, porque na realidade o desejo do governo era punir policiais, politizar um ato de reivindicação justo e honesto, batizar um movimento como motim, porque ele queria politizar isso para o Brasil inteiro, a preço do sangue de vidas inocentes do povo cearense”.

No fim da tarde desta quinta, 5, Cabo Sabino se apresentou à Justiça Militar e teve a ordem de prisão preventiva substituída pela proibição de entrar em instalações das forças de segurança por seis meses. Nas redes sociais, o governador, Camilo Santana (PT), disse ter ficado ‘indignado’ com a decisão e acusou o ex-deputado de ‘promover todo tipo de desordem’.

“Inaceitável que alguém promova todo tipo de desordem, cometa crimes, desafie a própria Justiça, Ministério Público, Governo e sociedade, e seja mandado para casa, como se nada tivesse ocorrido. Esse acusado terá que responder pelos seus gravíssimos atos, pelo bem do Estado de Direito”, disse o governador, em sua página no Facebook.

Durante o motim, foram registrados 312 homicídios no Ceará, mês mais violento desde 2013, quando foram adotados os atuais critérios para a série histórica no Estado.

O ex-deputado afirma que ‘anistia não é o motivo pelo qual se faz o movimento’. Ele diz que há ‘pautas antigas’, que ‘o governo não atende há 12 anos’, como questões relacionadas à carga horária, o vale-refeição, o auxílio saúde e o retorno do hospital da Polícia Militar.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios