Economia

Oi: acionistas avaliam vender empresa, ações desabam e presidente prepara saída

Tele carioca perdeu metade de seu valor de mercado em apenas nove dias, para R$ 4,4 bilhões

Com a grave situação financeira da Oi, alguns de seus principais acionistas, como fundos de investimento do exterior, já começam a discutir a venda da companhia como um todo e não só de ativos como vinha sendo proposto ao mercado. Em recuperação judicial e com dívida elevada, a tele já está em tratativas para a saída de seu presidente e de parte de sua diretoria.

Segundo fontes do mercado, a venda total da Oi está na pauta de debates dos acionistas. Segundo uma dessas fontes, as discussões envolvem o momento ideal para a venda da companhia.

– A companhia está descapitalizada e se for vendida agora poderá ser a qualquer preço. Isso é ruim. Esse é o tema central do debate trazido pelos acionistas e pelas consultorias contratadas pela Oi. Além desse timing ideal, outro ponto é a forma como vai ser vendida: ou por completo, como está hoje na pauta, ou em fatias, como a venda da operação móvel em separado, que para o presidente da Oi não faz o menor sentido – destacou a fonte que não quis se identificar.

 

A companhia ainda trabalha na transição de sua gestão que inclui seu presidente e parte de sua diretoria. A saída de Eurico Teles, atual presidente da companhia e responsável pelo processo de recuperação judicial autorizado pela Justiça, que estava sendo preparada há meses, será adiantada após o GoldenTree Asset Management, maior acionista da companhia com 14,57% das ações, ter informado ao mercado americano que o Conselho de Administração deveria mudar o comando da tele carioca.

 

Oi perde metade de seu valor de mercado
Desde quinta-feira passada, quando divulgou seus resultados financeiros do primeiro semestre, as ações da Oi vem caindo com força, embora as ações já estivessem em queda dias antes. Nesta terça-feira, os papéis ordinários (ON, com direito a voto) da Oi despencaram 27%, depois da carta da GoldenTree. Foi a nona queda seguida da Oi. Nesse período, o valor de mercado da tele encolheu R$ 5 bilhões, uma queda de 53,8%. Hoje, a empresa fechou valendo R$ 4,4 bilhões. Com a queda de hoje, as ações ON da operadora fecharam abaixo de R$ 1, valendo R$ 0,73, na menor cotação desde junho de 2016.

Assim, os acionistas da Oi já começam a debater a venda da Oi. Na semana passada, a companhia destacou que precisa vender ativos para elevar o investimento e fortalecer seu caixa. As discussões envolvem a possibilidade de vender a operação para algum concorrente ou então contar até com a participação dos próprios fundos que hoje já são acionistas.

-A Oi é uma grande contradição. Todos falam mal, mas tem muitos interessados tanto em participar da gestão como dos investimentos. Isso porque há potencial no futuro de gerar valor. Por isso, há uma guerra para tomar conta da administração – disse uma outra fonte.

Paralelamente a esse processo de venda, parte dos integrantes do Conselho de Administração acredita que o nome mais natural para comandar a Oi é Rodrigo Abreu, membro do próprio Conselho da Oi desde setembro do ano passado e ex-presidente da TIM.

 

-Além de Eurico que hoje comanda a empresa, também deve ocorrer uma transição na diretoria da empresa. A situação é muito complexa hoje na empresa, pois qualquer mudança na companhia deve ser comunicada à Justiça – afirmou um analista de mercado.

Todo esse planejamento de transição da Oi que vinha sendo feito com cautela foi “atropelado” pela carta enviada pelo Golden Tree à SEC, órgão que regula o mercado de ações dos EUA. Procurada, Oi e GoldenTree não comentaram.

Veja também: O rosto do menino que traduz a tragédia e o horror da guerra na Síria

Via
O Globo
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios