MundoNotíciasSaúde

OMS cria comissão independente para investigar resposta à pandemia de Covid-19

Planeta ultrapassa a marca de 12 milhões de casos do novo coronavírus

RIO — No mesmo dia em que os casos de coronavírus no planeta ultrapassaram 12 milhões, a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou a formação de um painel independente para avaliar sua resposta à pandemia de Covid-19 e a maneira como seus países-membros vêm lidando com a crise. A medida vem menos de 48 horas após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, notificar formalmente a Organização das Nações Unidas (ONU) seu desligamento da OMS.

Segundo o diretor-geral do braço da ONU responsável pela saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, a comissão recém-formada será encabeçada pela ex-primeira-ministra neozelandesa Helen Clark e pela ex-presidente da Libéria Ellen Johnson Sirleaf. Em uma videoconferência nesta quinta, Tedros disse que “é hora de uma autorreflexão”.

Leia mais:

A comissão é parte resolução aprovada pelos 194 países-membros da OMS durante sua assembleia geral, em maio, que demandava uma “avaliação imparcial, independente e abrangente” da resposta internacional à crise. Na ocasião, os Estados Unidos pediam uma investigação sobre a origem da pandemia, mirando a China, mas uma proposta mais branda, sem citar os chineses, prevaleceu.

A insistência americana em culpar Pequim pela pandemia é a justificava central de sua saída da OMS, notificada formalmente ao secretário-geral da ONU, António Guterres, na última terça. O presidente dos EUA, Donald Trump, insiste em se referir ao novo coronavírus como “vírus de Wuhan”, marco zero da doença, e “vírus chinês” — alcunha considerada racista. Paralelamente, acusa a OMS de ser controlada por Pequim e favorável aos seus interesses.

Até 2019, os EUA eram o maior contribuinte da organização, com cerca de US$ 400 milhões por ano, 22% do orçamento total. Após a suspensão dos pagamentos americanos, a China anunciou uma doação de US$ 2 bilhões à OMS, a ser feita em dois anos. A saída americana, em meio à maior pandemia do século, foi bastante criticada por especialistas em saúde pública.

Os Estados Unidos são hoje o epicentro global da pandemia de Covid-19, com mais de 132 mil mortes e 3 milhões de casos confirmados, 25% do total planetário. Após conseguir controlar brevemente os vírus, o país vê um novo surto da doença, registrando recorde de casos diários em cinco dos últimos nove dias. Em diversos estados no Sul e no Leste, o aumento do número de internações ameaça sobrecarregar a rede hospitalar.

Leia mais:

Juntos, EUA e Brasil são responsáveis por aproximadamente 45% casos registrados no mundo entre os dias 1 e 8 de julho e encabeçam a aceleração da pandemia, que já matou quase 545 mil pessoas. Nos últimos seis dias, mais de um milhão de novas infecções foram registradas globalmente, fazendo com que o total de diagnósticos ultrapassasse 12 milhões nas primeiras horas desta quinta.

Sozinho, o Brasil concentra cerca de 14% dos diagnósticos do planeta, com mais de 1,7 milhão de pessoas infectadas e 68 mil mortes. Na terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro anunciou que contraiu a doença, tornando-se o quarto líder global a adoecer.

Trump e Bolsonaro são internacionalmente criticados por sua conduta frente à pandemia. Durante um breve período em março o presidente americano defendeu o distanciamento social, mas pouco mais de um mês depois passou a pressionar pela retomada das atividades econômicas, tema central de sua campanha de reeleição. Na quarta, Trump ameaçou cortar o financiamento federal para escolas que não abrirem suas portas no início do ano letivo americano, em setembro. Bolsonaro, por sua vez, sempre contrariou as diretrizes da Organização Mundial da Saúde e insiste em promover tratamentos sem eficácia cientificamente comprovada.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios