Lava Jato

Operação Lava-Jato perdeu cerca de R$ 20 milhões nas multas pagas por delatores devido à falta de correção monetária desses valores.

Com base nesses dados, Raquel Dodge solicita ao STF que valores depositados judicialmente sejam atualizados pela Caixa

A Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentou dados ao Supremo Tribunal Federal (STF) apontando que a Operação Lava-Jato perdeu cerca de R$ 20 milhões nas multas pagas por delatores devido à falta de correção monetária desses valores. Com base nessas informações, a PGR solicitou ao ministro do STF Edson Fachin que determine a aplicação da taxa Selic como índice de correção para as multas.

Segundo a procuradora-geral Raquel Dodge, a defasagem está ocorrendo nos valores que os delatores já pagaram e que se encontram em depósito judicial junto à Caixa Econômica Federal. Eles ainda não foram repassados aos destinatários finais dos recursos obtidos no acordo — em geral, a Petrobras ou a União.

“Para ilustrar, conforme esclarece o Parecer Técnico nº 1471/2019 DPCE/SPPEA/PGR, a ausência de correção monetária dos depósitos já destinados representou uma defasagem nominal de R$ 14.043.386,18 (quatorze milhões, quarenta e três mil, trezentos e oitenta e seis reais e dezoito centavos), caso os valores tivessem sido corrigidos pelos índices aplicáveis à poupança, ou de R$ 20.145.340,44 (vinte milhões, cento e quarenta e cinco mil, trezentos e quarenta reais e quarenta e quatro centavos), caso tivesse sido utilizada a taxa Selic”, escreveu Dodge em sua manifestação.

A PGR relatou que solicitou esclarecimentos à Caixa, responsável pelos depósitos judiciais das multas dos delatores, e o banco informou que esses valores estão sujeitos à correção monetária pela “Taxa Referencial” (um dos índices da economia), que tem apresentado resultado zero nos últimos dois anos.

Dodge pede que Fachin autorize a utilização da taxa Selic como índice de correção e que intime a Caixa para repor os valores defasados, cujo cálculo final será apresentado posteriormente pela PGR.

 

Via
O Globo
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios