Lava JatoPolítica

Orgão AGU pede prazo para avaliar fundo da Lava Jato em queimadas

Órgão pediu ao ministro Alexandre de Moraes mais prazo 'com a finalidade de alinhar os entendimentos dos diversos órgãos federais'

A Advocacia-Geral da União (AGU) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) mais cinco dias para que órgãos do governo federal (o Ministério da Economia, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e a própria AGU enviem ao tribunal uma manifestação sobre a possibilidade de destinar R$ 800 milhões – , oriundos de multa paga pela Petrobrás em acordo com a Justiça americana – à prevenção e ao combate de incêndios florestais na região amazônica.

O relator do caso, ministro Alexandre de Moraes, determinou que os órgãos opinassem dentro de 48 horas – prazo que se encerra neste domingo , 25.

A proposta de destinação de recursos do Fundo da Lava Jato (cujo valor total é de cerca de R$ 2,5 bilhões) para combater os incêndios na Amazônia foi apresentada pela Mesa Diretora da Câmara dos Deputados.

O destino dos R$ 2,5 bilhões do Fundo da Lava Jato parou na Suprema Corte em março, depois de a Procuradoria-Geral da República (PGR) questionar o acordo fechado entre a Petrobras e a força-tarefa da Lava Jato no Paraná que estabeleceu, entre outros pontos, a criação de uma fundação para gerir parte da multa. O caso caiu com Moraes, que resolveu suspender o acordo entre a estatal e o Ministério Público paranaense.

“Com a finalidade de alinhar os entendimentos dos diversos órgãos federais envolvidos nas mencionadas tratativas e de se colher manifestação dos ministérios interessados sobre a proposta, revela-se necessária a ampliação do prazo inicialmente concedido ao ente central para o seu pronunciamento”, escreveu o advogado-geral da União, ministro André Mendonça, ao solicitar a Alexandre de Moraes mais tempo para se pronunciar sobre a proposta da Câmara.

“Ante o exposto, requer a União a concessão de prazo adicional de 5 (cinco) dias para a manifestação dos órgãos federais (Advocacia-Geral da União, Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e Ministério da Economia)”, prosseguiu Mendonça.

Recursos. Com a situação gerada pelas queimadas que afetam a região amazônica, a mesa diretora da Câmara afirmou ao STF ser “urgente” que parte da multa seja destinada à prevenção e combate de incêndios florestais.

A Câmara pede ainda que R$ 200 milhões sejam usados para descontingenciar o bloqueio orçamentário que existe em desfavor de programas relacionados à proteção do meio ambiente, seja relacionado diretamente ao Ministério do Meio Ambiente ou demais órgãos e entidades a ele vinculados.

Via
Terra
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios