Cidades

Peixe gigante raríssimo de mais de 200 Kg é achado em praia de SP

Agulhão-negro foi localizado em praia de Itanhaém (SP) e recolhido por pesquisadores do Instituto Biopesca. É o primeiro da espécie localizado em praias da Baixada Santista.

Um agulhão-negro (Makaira nigricans) de 3,6 metros de comprimento e 202 kg foi encontrado sem vida na faixa de areia de Itanhaém, no litoral de São Paulo. O peixe, cujo aparecimento na costa é considerado raro por especialistas, foi recolhido e submetido à análise para determinar as causas da morte.

O peixe foi localizado durante o monitoramento feito em praias do litoral sul por equipes do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS). Uma vez encontrado já sem vida, o peixe foi recolhido e levado à Unidade de Estabilização do Instituto Biopesca, em Praia Grande.

Agulhão-negro de mais de 200 kg foi encontrado em praia de Itanhaém, SP — Foto: Divulgação/Instituto Biopesca

Agulhão-negro de mais de 200 kg foi encontrado em praia de Itanhaém, SP — Foto: Divulgação/Instituto Biopesca

O instituto informou que o professor e biólogo Teodoro Vaske Junior, da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), considerou “rara” a ocorrência. Ainda de segundo ele, trata-se do primeiro animal da espécie encontrado encalhado em uma praia da região.

“É uma espécie oceânica de águas quentes, e que tem um bico mais curto do que as demais espécies de agulhões”, explicou ao instituto. O agulhão-negro alimenta-se de outros peixes e lulas e pode passar dos 600 kg. Ainda não se pode definir o que o fez chegar à praia.

Agulhão-negro de mais de 200 kg foi encontrado em praia de Itanhaém, SP — Foto: Juarez Cabral/Instituto Biopesca

Agulhão-negro de mais de 200 kg foi encontrado em praia de Itanhaém, SP — Foto: Juarez Cabral/Instituto Biopesca

Junto com equipes de biólogos do instituto, o animal foi avaliado e teve amostrar recolhidas, que serão analisadas para identificar a causa da morte. De acordo com o biólogo Márcio Ohkawara, do Biopesca, nestes casos, é preciso cautela e evitar o consumo de peixes encontrados neste estado.

“Assim como a maioria dos peixes oceânicos, ele também está no radar de pesca predatória, e oferece riscos a quem o consome, principalmente em caso de encalhe, já que não se pode saber o que levou o animal à morte”.

Projeto

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

A iniciativa tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos.

Via
G1 Santos
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios