Polícia

PM é torturado e morto na Baixada após circular boato de que seria ‘estuprador’

O policial militar Filipe Araújo de Assis, lotado na UPP Pavão-Pavãozinho, foi encontrado morto na área rural de Queimados, na Baixada Fluminense, na manhã desta sexta-feira. Um suspeito de envolvimento no crime foi preso por agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), que investiga o caso.

De acordo com a Polícia Civil, Júlio César de Lira Alves é apontado como um dos autores do homicídio do PM, que foi torturado antes de ser morto por disparo de arma de fogo. Outros suspeitos foram identificados como o irmão de Júlio, Tiago Petronio de Lira Alves, e um homem conhecido como None.

Em nota, a Polícia Militar informou que “equipes do 24ºBPM (Queimados) realizaram buscas na região e prenderam dois suspeitos de envolvimento no assassinato do soldado”. A corporação não divulgou as identidades deles.

Segundo os investigadores, o crime foi motivado por uma acusação da mulher de Júlio César referente ao PM, ao espalhar o boato de que Filipe seria um “estuprador”.

Júlio vai responder por “homicídio qualificado e posse irregular de munição de calibre permitido”. Ele foi encaminhado à Secretaria Estadual de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro (Seap), onde ficará a disposição do Poder Judiciário.

O sepultamento do policial militar ocorreu neste sábado no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste do Rio. Nas redes sociais, amigos e parentes de Filipe deixaram mensagens de luto e carinho para ele.

 

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios