Polícia

Polícia abre inquérito para apurar supostos maus-tratos a crianças em creche particular na Zona Oeste de SP

Segundo documento entregue a polícia por pais de ex-aluno, 23 crianças foram vítimas de agressões físicas e verbais. Instituição nega e diz ter afastado funcionários suspeitos.

A Polícia Civil de São Paulo abriu inquérito para investigar uma denúncia de supostos maus-tratos e omissão nos cuidados de crianças na escola infantil Casa da Vovó, em Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo. A instituição nega as acusações.

A denúncia foi feita pelos pais de uma criança de 1 ano e 6 meses que frequentou a escola durante 10 dias. A família afirma que reuniu relatos de outros pais de crianças que frequentaram o local e conversas com ex-funcionários.

Segundo documento entregue à polícia, ao menos 23 crianças passaram por maus-tratos na escola. Há também vídeos feitos por ex-funcionários com registros dos maus-tratos. De acordo com a família, a mensalidade custa em torno de R$ 3 mil.

O caso foi registrado no 14° Distrito Policial, em Pinheiros. Na semana passada, a família apresentou ao delegado representação criminal contra a diretora e duas educadoras pedagógicas da creche.

Entre os fatos descritos pela família estão agressões físicas e verbais como beliscões, apertar o olho da criança quando ela não queria dormir, castigos em pé durante horas em um local isolado e fechado, obrigar a criança a comer e jogá-lo embaixo do chuveiro gelado, com roupa, enquanto chorava.

A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) confirmou a denúncia e disse que o delegado responsável pelo caso já intimou testemunhas para prestarem depoimento.

Em nota, a escola disse que as imagens divulgadas “não representam em absoluto a filosofia de acolhimento e afetividade” da escola, onde não cabe “nenhuma tolerância a maus-tratos” (leia a íntegra abaixo).

A escola alega que “todas as providências cabíveis foram tomadas, até o mesmo o afastamento da funcionária, com o objetivo de manter a sua segurança e de todos que estão envolvidos nesse caso”.

No texto, a direção da instituição diz estar “em processo de revisão dos procedimentos internos” e afirma que um grupo de mães fez um abaixo-assinado defendendo a escola. O G1 recebeu o telefonema de uma delas confirmando a informação.

Segundo Miguel Silva, advogado da família que denunciou o caso, além do menino, outras criança que frequentavam a escola eram submetidas “a sessões de tortura” por parte da diretora e das coordenadoras pedagógicas, “inclusive com arremesso de água gelada na face das crianças, impondo aos menores um verdadeiro circo de horrores”.

“Meu filho ficou dez dias na escolinha e passou a apresentar um comportamento estranho. Até hoje, ele não come de colher, só quer comer com as mãos. Logo nos primeiros dias que ele esteve na escola, passou a chorar a toda hora, ter medo e não querer dormir à noite sem a luz ligada. Achei estranho e resolvi tirar ele da escola”, disse ao G1 a assistente social Andréia Souza, responsável pela denúncia.

Imagens obtidas pela família com ex-funcionários e que foram entregues à Polícia Civil registram crianças isoladas em quartos fechados, sem iluminação ou ventilação, e perto de baratas mortas. Também há registros de alimentos vencidos, lixo perto dos menores e descuido com o armazenamento de comida – em um deles, há uma embalagem de leite perto de um vaso sanitário.

“Ele voltava para casa com uma nova roupa, trocada, e a roupa que ele havia usado mandavam em um saco plástico, molhada. Ia na escola e perguntava o que houve e me respondiam que ele havia ‘feito cocô’. Mas a roupa molhada estava limpa! Neste ano, um ex-professor me procurou contando o que faziam, que colocavam as crianças no chuveiro gelado quando choravam”, acrescentou Andréia.

Criança vista perto de barata em escola — Foto: Arquivo Pessoal

Criança vista perto de barata em escola — Foto: Arquivo Pessoal

Leite armazenado junto com produtos de limpeza em escola na Zona Oeste de SP — Foto: Arquivo Pessoal
Leite armazenado junto com produtos de limpeza em escola na Zona Oeste de SP — Foto: Arquivo Pessoal

Histórico

Andreia diz que, em fevereiro, após fazer uma cirurgia, foi procurada por um ex-professor da escola, que disse ter um vídeo que mostrava o filho da assistente social sendo agredido enquanto almoçava. Na gravação, é possível ver uma das coordenadoras pedagógicas forçando o menino a comer, colocando uma colher cheia de comida com força na boca do menino seguidas vezes.

O garoto se engasga, chora bastante, mas mesmo assim a coordenadora continua.

“Falei com diversas mães e nos abraçamos ao relembrar o que nossos filhos sofreram. Eu sabia que algo tinha acontecido, mas não sabia, até então, o que era. Ao conversar com ex-funcionários, alguns deles me relataram até mesmo que pararam de trabalhar na escola porque não aguentavam o que viam. Eles não tinham o mínimo de cuidado com as crianças, muito pelo contrário”, diz Andréia.

“A gente paga caro e coloca nas mãos de pessoas que acreditamos ser idôneas nossos filhos, achando que serão bem-tratados. A escola tem credibilidade, você acredita. Daí seu filho muda de comportamento de uma hora para outra, começa a chorar toda vez que vê o uniforme da escola, e você não consegue imaginar o descuido que está acontecendo.”

Nota da nota da escola Casa da Vovó:

“Gostaríamos de nos posicionar perante aos pais e à nossa sociedade, referente aos vídeos divulgados, que não representam em absoluto a filosofia de acolhimento e afetividade com as nossas crianças, portanto, não cabendo nenhuma tolerância a maus tratos.


Efetivamente, todas as providências cabíveis foram tomadas, até o mesmo o afastamento da funcionária, com o objetivo de manter a sua segurança e de todos que estão envolvidos nesse caso. Estamos em processo de revisão de procedimentos internos e empenhados em esclarecer toda a verdade.


Somos uma instituição séria de mais de 40 anos de existência com metas claras de transparência e parceria para uma primeira infância feliz e no desenvolvimento de cidadãos do bem.
Diretoria da escola”.

Via
POR: G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios