Polícia

Polícia apreendeu com Adriano da Nóbrega treze celulares e sete chips de diferentes operadoras

Polícia apreendeu com Adriano da Nóbrega treze celulares e sete chips de diferentes operadoras

RIO —  O segredo para encontrar um dos principais nomes da lista da Interpol, o ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega, não é revelado pela polícia. No entanto, a apreensão de 13 celulares e sete cartões de chip, explica como o ex-militar conseguia se manter escondido sem ser rastreado. A Polícia Civil do Rio não tem praticamente conversas dele grampeadas, porque ele usava somente o sinal de wi-fi para fazer as ligações, além da constante troca de chips, de operadoras diferentes, geralmente, usados uma única vez. Como ex-policial da tropa de elite da PM, ele sabia muito bem como monitorar criminosos.

O ex-caveira também usava identidades falsas,  como a deixada para trás no primeiro esconderijo estourado pelas polícias Civil do Rio e da Bahia, há uma semana, na Costa do Sauípe, também na Bahia. Segundo uma fonte da polícia, Adriano fugiu do local cinco minutos antes da chegada dos agentes do  Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Bahia. Os investigadores descobriram que ele mantinha as janelas abertas para escapar, se a casa fosse invadida, o que acabou acontecendo. A escolha do imóvel, que tinha aluguel de R$ 1 mil, a diária, foi estratégica. A residência dava fundos para uma lagoa e o ex-miilitar fugiu pelo mangue.

No novo esconderijo, o sítio de Esplanada, a 170 quilômetros da capital Salvador, também foi encontrada uma carteira da Polícia Militar, com o nome de Adriano. A identidade era uma forma de o ex-PM passar por blitzes das polícias nas estradas. No local também foram encontrados emblemas do Bope, de onde ele é oriundo.

'Capitão Adriano' é um dos criminosos mais procurados pela polícia do Rio; ele está foragido desde o início do ano passado Foto: Reprodução
‘Capitão Adriano’ é um dos criminosos mais procurados pela polícia do Rio; ele está foragido desde o início do ano passado Foto: Reprodução

Na casa  localizada na área rural, foram apreendidas quatro armas, todas ainda com a numeração que estavam em diversos cômodos da casa. Adriano foi morto após uma troca de tiros com agentes do  Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar da Bahia. O sítio possui 12 edificações, sendo que, na área principal, há quatro construções, entre elas a casa em que o ex-capitão estava.

A fazenda fica em um local ermo, conhecida como “entrada dos coqueiros” pelos moradores de Esplanada, região com diversas fazendas de alto padrão, inclusive de políticos.

Há cerca de um ano, capitão Adriano vinha sendo investigado e monitorado pela inteligência da Secretaria de Polícia Civil, que conseguiu chegar ao paradeiro dele na Bahia. Com apoio operacional do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar da Bahia, foi realizada uma ação com o uso de helicóptero.

Os investigadores da Polícia Civil e do Gaeco já sabem que Adriano lava dinheiro de negócios ilícitos com a pecuária. Adriano era visto, segundo testemunhas, sempre armado e, em algumas situações, andava a cavalo com uma pistola Glock na cintura e uma escopeta presa nas costas.

Segundo a polícia, Adriano era acusado de ser o chefe de um grupo criminoso formado por matadores de aluguel, que ficou conhecido como Escritório do Crime — investigado por suspeita de envolvimento nas mortes de Marielle Franco e Anderson Gomes. Ele era réu na Operação Intocáveis do Ministério Público do Rio (MP-RJ), que apura a milícia de Rio das Pedras.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios