Polícia

Polícia descarta hipótese de envenamento de menina por doce

Após analisar as imagens internas da Supervia, o delegado Vinícius Domingos, titular da 64ª DP (São João de Meriti), descartou a hipótese aventada pela família de que a estudante Lorrana Madalena da Luz Manoel, de 14 anos, havia recebido algum doce envenenado. As câmeras de segurança do trem mostram que a menina ficou o tempo todo sozinha e que não esteve ao lado de ninguém entre as estações de Bonsucesso e Caxias.

— Descartamos que ela recebeu algum doce dentro do trem. As imagens mostram que o tempo todo ela ficou sozinha — afirmou o delegado.

Os investigadores trabalham, até o momento, com as hipóteses de morte por consumo acidental, homicídio ou suicídio. Segundo a Polícia Civil, a menina morreu envenenada ao ingerir carbamato, mais conhecido como chumbinho — substância para matar ratos.

Até agora, ao menos cinco pessoas — entre parentes e amigos de Lorrana — já prestaram depoimentos. Os agentes querem saber se a menina vinha sofrendo algum tipo de trauma pessoal ou amoroso.

— Falamos duas vezes com a mãe, mas ela está em choque. Ela garante que a filha não tinha problemas pessoais. Também estivemos na escola da menina e falamos com alguns amigos. Queremos saber se ela está passando por problemas, alguma desilusão amorosa ou algo do tipo. Nada tem sido descartado — contou Domingos.

O pai de Lorrana, Luciano da Silva Manoel, de 37 anos, não tem conhecimento de que a menina estivesse namorando com alguém.

— Eu estou buscando saber se ela estava namorando. Mas ela não comentou nada sobre. Entendemos que os filhos não comentam certas coisas com a gente — comenta o pai.

A mãe de Lorrana durante o enterro da filha
A mãe de Lorrana durante o enterro da filha Foto: Domingos Peixoto

Mãe passa mal em enterro e recebe atendimento

O corpo da menina foi sepultado às 14h30 desta sexta-feira no Cemitério Tanque do Anil, no bairro Parque Beira-Mar, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Durante todo o tempo, a vendedora Gisele José da Luz, de 32 anos, mãe da menina, ficou debruçado sobre o caixão da filha.

Mais cedo, ao chegar na capela onde a menina estava sendo velada, Gisele se desesperou e gritou pedindo que a filha levantasse dali. Assim como ela, outros parentes chegaram a passar mal.

— Pelo amor de Deus, levanta daí — gritava a mulher, que chegou a desmaiar e receber atendimento de um enfermeiro que estava no local.

Cerca de 200 pessoas acompanharam o sepultamento. Antes do sepultamento, parentes e amigos fizeram uma oração e cantaram músicas evangélicas em homenagem a estudante.

A mãe, durante todo o tempo, perguntava “porque fizeram isso” com Lorrana. Durante o enterro, a mulher tentou impedir a descida do caixão, dizendo que sua filha voltaria.

O enterro da menina Lorrana
O enterro da menina Lorrana Foto: Domingos Peixoto

Diligências durante o velório

Enquanto acontecia o velório de Lorrana, investigadores de 64ª DP faziam diligências para intimar uma testemunha no caso da morte de Lorrana. Segundo a Polícia Civil, a pessoa poderá dar mais detalhes da vida da menina.

No fim da manhã, o delegado Vinícius Domingos confirmou que o que matou a estudante foi chumbinho. Agora, os agentes querem saber a quantidade de veneno presente no corpo da adolescente. Eles também querem saber se ela foi envenenada por terceiros, se foi um acidente ao comer um lanche ou se a própria jovem ingeriu a substância tóxica.

— Nenhuma hipótese é descartada. Trabalhamos com envenenamento. Agora, queremos saber se ela foi envenenada, se a substância tóxica caiu no lanche que ela fez ou se ela própria tomou o veneno para rato — disse o delegado.

Ao saber pela televisão que a filha morreu por ingestão de veneno de rato, o pai não acreditou. Ele contou que a polícia esteve no local em que a tia produz sanduíches e na casa da menina.

— Queremos uma resposta. Agora, é deixar a polícia trabalhar e desvendar o que realmente aconteceu — disse o homem, que completa: — Esse é um momento que ninguém quer passar.

Luciano afirma que já acreditava que a filha tinha sido morta por veneno de rato.

— Pelo jeito que eu vi a minha filha, a questão do chumbinho era certa. Só esperávamos a confirmação da polícia.

 

Via
Extra
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios