JustiçaLava Jato

Polícia Federal conclui inquérito e aponta ‘evidências robustas’ de caixa 2 de Renan em doações da Odebrecht

De acordo com a PF, senador recebeu da empresa doações não declaradas na campanha de 2010. Defesa de Renan diz que doações foram 'devidamente declaradas e subsequentemente aprovadas pelo tribunal'.

A Polícia Federal concluiu um inquérito sobre o senador Renan Calheiros (MDB-AL) e apontou que há “evidências robustas” de caixa 2 em doações da Odebrecht recebidas pelo político. O resultado do inquérito foi encaminhado para o Supremo Tribunal Federal (STF).

Os investigadores apontam que Renan recebeu R$ 500 mil em doações do grupo Odebrecht nas eleições de 2010 pelo setor financeiro paralelo da empresa. O caixa 2 ocorre quando o dinheiro é recebido pelo candidato, porém não é declarado à Justiça Eleitoral.

“Há elementos concretos e relevantes no sentido da existência de materialidade e autoria dos crimes investigados no presente inquérito, encontrando-se presentes indícios suficientes de que o senador José Renan Vasconcelos Calheiros cometeu o crime previsto no art: 350 do Código Eleitoral, na modalidade ‘caixa 2′” escreveu a delegada da PF Rejane Nowicki.

Leia mais:

Em nota, a defesa de Renan Calheiros afirma que “dois terços das investigações” contra o senador já foram arquivadas, e que “tem por certo que a história novamente se repetirá”. O advogado Luis Henrique Machado diz que as doações foram “devidamente declaradas e subsequentemente aprovadas pelo tribunal”.

“Delações irresponsáveis, com base em elementos de corroborações frágeis e desconexos, só desacreditam as investigações realizadas pela Polícia Federal e expõem indevidamente o nome do senador”, afirma a defesa.

A investigação afirma ainda que o dinheiro foi pago em duas parcelas de R$ 250 mil, entre 20 de agosto de 2010 e 15 de setembro de 2010. De acordo com a PF, os repasses foram viabilizados por um doleiro da Odebrecht, com o objetivo de manter uma boa relação com o político e, eventualmente, obter benefícios para a empresa.

Segundo o inquérito, o parlamentar recebeu o dinheiro um hotel de Maceió. No sistema da empresa, o senador era identificado pelo codinome Justiça.

Com a conclusão da PF, o ministro Marco Aurélio Mello, que é o relator do caso, deve encaminhar o inquérito para a Procuradoria-Geral da República (PGR) avaliar se há ou não elementos para que o senador seja denunciado ao STF. A PGR pode pedir ainda mais prazo para as investigações ou até mesmo apontar o arquivamento, caso entenda que não há indícios contra o senador.

Delação de ex-diretor

 

No relatório, a PF também indicou que a delação de Cláudio Melo Filho, ex-diretor de relações institucionais da Odebrecht, não contribuiu com as investigações e que ele entrou em contradições.

“Ocorre que, quanto as declarações de Claudio Melo Filho, observam-se diversas contradições nos seus depoimentos tanto acerca do seu relacionamento com Renan Calheiros quanto ao seu real conhecimento acerca dos fatos investigados e assim como acerca do ‘Setor Operações Estruturadas’ “, afirmou a PF.

A delegada afirmou que, “quanto ao colaborador Claudio Melo Filho, em que pese ter se disposto a prestar novos depoimentos, ele se contradisse em suas oitivas, de forma que sua colaboração não se mostrou efetiva quanto aos fatos aqui investigados”.

Comentários no Facebook

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios