DestaqueGeralPolítica

Políticos, militares e olavistas disputam indicação para o MEC

Dos cinco nomes ventilados, três ganham força por contarem com apoios importantes nos bastidores

Após a indicação do presidente Jair Bolsonaro (PSL) sobre provável demissão do ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, políticos, militares e seguidores de Olavo de Carvalho trabalham para emplacar o substituto.

Em café com jornalistas, Bolsonaro promete resolver a situação até segunda-feira (8).

O entrave para o governo é lidar com os grupos que atuam no governo e no MEC, e cuja disputa ajudou a enfraquecer Vélez no cargo. A escolha pode, ao privilegiar alguma tendência, intensificar o racha que marcou a gestão do colombiano no ministério.

Dos cinco nomes ventilados, três ganham força por contarem com apoios importantes nos bastidores. Os mais fortes são o do presidente da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), Anderson Ribeiro Correia, do senador Izalci Lucas (PSDB-DF) e de Eduardo Melo, ligado ao grupo mais ideológica que atua no governo.

Anderson, da Capes, é engenheiro e foi reitor do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica). Além da ligação direta com os militares, é evangélico e tem a simpatia da bancada evangélica, cujos integrantes reforçam também o currículo consistente. A nomeação de Izalci para o MEC tem sido defendida desde o ano passado por parte da bancada evangélica. O fato de ser filiado ao PSDB, no entanto, é visto como entrave.

Tanto Anderson quanto Izalci encontram resistência do grupo de discípulos do escritor Olavo de Carvalho, guru ideológico do governo: Izalci, por ser político, e Anderson, por ser militar e ter alguma ligação com ex-integrantes do MEC que Vélez foi forçado a demitir durante a crise atual.

Os olavistas apostam em Eduardo Melo, ex-militar e religioso. Em março, foi exonerado do MEC mas ganhou o segundo cargo cargo mais importante, de diretor geral adjunto, na Associação Roquette Pinto, que gerencia a TV Escola.

Desde o início de março, quando a dança das cadeiras começou no MEC, alunos e seguidores de Olavo de Carvalho têm agido de forma articulada nas redes sociais com ataques direcionados a quem represente dentro do MEC posição divergente das convicções ideológicas do grupo. O que não inclui pouca ligação com o diagnóstico dos desafios da educação brasileira.

Os ataques do grupo atingiram militares, técnicos oriundos do Centro Paula Souza e o próprio ministro. Na cúpula do governo, os olavistas contam com apoio do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente, e do assessor de Bolsonaro para assuntos internacionais, Filipe Martins.

Outros dois nomes também estão na disputa. O do ex-ministro da Educação Mendonça Filho (DEM) e do presidente do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), Carlos Alberto Decotelli.

Embora não totalmente descartada, a ascensão para a posição de ministro do atual secretário-executivo da pasta, brigadeiro Ricardo Machado Vieira, não tem sido uma aposta. Vieira chegou ao ministério com a missão de colocar ordem na casa. No meio militar, a ideia corrente é que ele continue com a função executiva, sem se expor politicamente como ministro.

Via
FOLHAPRESS
Tags

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios