GeralInternacional

Presidente afegão escapa de atentado que matou 24 durante seu comício

Outro ataque a bomba, nas proximidades da embaixada americana, deixou mais seis mortos

CABUL — Um ataque a bomba em um comício do presidente afegão Ashraf Ghani , no norte do país, matou ao menos 24 pessoas e feriu outras 31, segundo funcionários do governo. Ghani, que saiu ileso da explosão, por pouco não foi atingido.

A autoria do atentado suicida foi reivindicada pelo Talibã . Segundo um porta-voz do grupo insurgente, o alvo das explosões, a 11 dias das eleições presidenciais, eram as forças de segurança de Cabul.

— Mulheres e crianças estão entre os mortos e a maior parte das vítimas aparentar ser civil. Ambulâncias ainda estão funcionando e o número de vítimas fatais pode aumentar — disse Abdul Qasim Sangin, chefe do hospital local, sobre o ataque ao comício.

Um ataque separado aconteceu no centro de Cabul, próximo da embaixada americana, deixando seis mortos e 14 feridos. A natureza desta segunda explosão ainda não está clara, mas as equipes trabalham com a hipótese de que tenha sido um ataque suicida ou uma bomba magnética presa a uma motocicleta, segundo o ministro do Interior.
Na antecipação das eleições presidenciais do dia 28 de setembro, Ghani tem participado de diversos eventos de campanha por vídeoconferência — mas decidiu viajar até a província de Parwan para este evento. Um funcionário do governo presente no local disse que o presidente, que busca a reeleição, estava do lado de dentro do prédio quando a explosão aconteceu.

Este não é o primeiro ataque desse tipo: em julho, o vice-presidente do país, Amrullah Saleh, escapou por pouco de um carro-bomba e de cerca de seis homens suicidas no quartel-general da campanha, em Cabul.
A campanha presidencial acontece sob ameaças dos insurgentes do Talibã e da incerteza ao redor do colapso das negociações entre o grupo militante e o governo dos Estados Unidos quando estavam próximos de chegar a um acordo sobre a retirada de tropas americanas do Afeganistão.

Trump iria se encontrar com líderes talibãs no dia 8 de setembro, em Camp David, residência de campo da Presidência dos EUA, mas cancelou o encontro após um ataque a bomba que matou 12 pessoas no último dia 5, em Cabul — entre eles, um soldado americano. Separadamente, Trump também se encontraria com Ghani no mesmo local. Após o cancelamento, o grupo insurgente disse que o esfacelamento do acordo pode significar “ a perda de mais vidas americanas no país ”.

Via
O GLOBO
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios