Polícia

Presidente da Fieg, ex-deputado Sandro Mabel é alvo de operação da PF envolvendo fraudes no Ibama

Todos os 5 mandados de prisão são cumpridos em Goiás; outros 48 de busca e apreensão são executados em mais oito estados. Segundo investigação, esquema beneficiava donos de terras da Amazônia Legal e causou prejuízo estimado de R$ 150 milhões.

O presidente da Federação das Indústrias de Goiás (Fieg) e ex-deputado federal por Goiás Sandro Mabel foi alvo de mandados de busca e apreensão cumpridos pela Polícia Federal (PF) nesta terça-feira (15), durante a realização da operação Tokens, que investiga fraudes em certificados digitais de fiscais e gestores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O político tem uma propriedade no município de Canabrava do Norte, em Mato Grosso, e foi alvo de mandado judicial em Goiânia (GO). A Fieg disse que não vai se manifestar sobre a operação. O espera retorno da assessoria de Mabel.

Cinco mandados de prisão expedidos pela Justiça são cumpridos em Goiás. De acordo com a Polícia Federal, os alvos são integrantes de dois “núcleos”: os falsificadores e os estelionatários. Eles agiam em um esquema para beneficiar donos de terras – terceiro e último núcleo – embargadas na região chamada de Amazônia Legal. O prejuízo estimado é de R$ 150 milhões.

O  entrou em contato com o Ibama por email, às 11h40, e aguarda retorno.

A operação foi deflagrada na manhã desta terça-feira (15). Até a última atualização desta reportagem, a PF ainda não tinha informação se todos os mandados de prisão já haviam sido cumpridos.

De acordo com a corporação, os agentes executam quatro ordens de prisão em Goiânia e uma em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana. No estado, ainda são cumpridos 10 dos 48 mandados de busca e apreensão – na capital (8), Aparecida de Goiânia (1) e Caldas Novas (1), no sul do estado.

Também há mandados sendo cumpridos nos seguintes estados: Tocantins, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo e Distrito Federal.

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) em Brasília — Foto: Google/Reprodução
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) em Brasília — Foto: Google/Reprodução

Os nomes dos alvos não foram divulgados. Segundo a PF, os presos tinham como função falsificar documentos de verdadeiros servidores do Ibama e, de posse desses, obter certificados digitais (tokens) para desembargar propriedades autuadas e emitir certidões negativas.

Essas fraudes, segundo a PF, beneficiavam propriedades rurais no Pará e Mato Grosso. A corporação explica que essas áreas estão localizadas em regiões “sensíveis” da Amazônia Legal.

De acordo com a PF, foram constatados 122 desembargos (desinterdições de propriedade) irregulares em nome 54 pessoas físicas e empresas. A estimativa é de que a fraude tenha causado um prejuízo de R$ 150 milhões para a União, em multas não pagas e descumprimento de embargos em áreas ambientais.

Os envolvidos podem responder por crimes contra o meio ambiente, estelionato, uso de documento falso, alteração de sistemas de dados, descumprimento de ordens de embargos, prevaricação (funcionário público que age por interesse próprio no exercício do cargo) e corrupção. As penas podem chegar a 12 anos, além de multa.

Propriedades beneficiadas por meio de fraude com uso de tokens falsificados de servidores do Ibama — Foto: PF/Divulgação
Propriedades beneficiadas por meio de fraude com uso de tokens falsificados de servidores do Ibama — Foto: PF/Divulgação

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios