Mundo

Prisão injusta de funcionário por 251 dias constrange Huawei na China

A multinacional foi amplamente criticada por ter acusado um de seus empregados de extorsão sem ter evidências suficientes de que ele havia cometido o crime.

A multinacional chinesa Huawei foi amplamente criticada após a revelação de que um ex-funcionário ficou preso indevidamente por oito meses após a companhia acusá-lo de extorsão.

Veja também: Negar popularidade de Sergio Moro é alienação de esquerda

Li Hongyuan, que trabalhou na Huawei por 13 anos, foi detido em janeiro. A Huawei afirmava que ele havia tentado chantageá-la.

Hongyuan foi libertado em agosto, após os promotores concluírem que não havia provas suficientes da acusação. O governo chinês o indenizou em 107.522 yuanes (R$ 63,9 mil).

Antes de deixar a Huawei, em março de 2018, Hongyuan afirma ter negociado as condições de sua saída da empresa.

Dois meses depois, um funcionário da Huawei depositou 304.742 yuanes (R$ 181 mil) na conta bancária pessoal de Hongyuan. Ele disse à imprensa chinesa que tinha recebido este valor por um bônus de final de ano que lhe havia sido prometido.

Veja também: Aliança pelo Brasil, partido que Bolsonaro quer criar, pede registro em cartório

A Huawei o denunciou à polícia, alegando que a transferência de dinheiro havia sido feita em resposta a uma suposta tentativa de extorquir a empresa.

Hongyuan foi detido em dezembro de 2018 e foi mandado para a prisão em janeiro. Ele foi libertado 251 dias depois. Seus advogados afirmaram à emissora CNN que seu cliente nunca foi processado e recebeu uma indenização do governo.

Empresa diz que tinha dever de fazer a denúncia

Huawei disse respeitar a decisão, mas reafirmou sua obrigação de ter feito a denúncia
Huawei disse respeitar a decisão, mas reafirmou sua obrigação de ter feito a denúncia

Foto: AFP / BBC News Brasil

Em comunicado à BBC News, a Huawei disse respeitar a decisão, mas reafirmou que tinha o dever de “reportar” suas conclusões às autoridades.

“Nós respeitamos a independência e a autoridade do processo de justiça criminal para examinar e fazer um julgamento legal e correto”, disse a companhia das telecomunicações.

Veja também: Maior volume de investimentos da Petrobras será concentrado em 2023

“Se alguém acredita que sofreu danos ou teve seus direitos legais violados, a Huawei defende totalmente seu direito de buscar os tribunais.”

O caso gerou indignação na China. Hongyuan recebeu apoio de muitos usuários da rede social Weibo.

Em uma carta aberta endereçada ao fundador da Huawei, Ren Zhengfei, o ex-funcionário se desculpou por causar um escândalo. “Não era minha intenção causar tanto alarde na internet, e lamento por isso”, disse ele.

“Mas não me arrependo da minha escolha de falar a verdade. Sempre há um custo envolvido em ser honesto.”

Via
BBC News Brasil
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios