GeralPolítica

Projeto polêmico que garante cesárea por opção da mãe é aprovado em SP

Por 58 votos a 20, iniciativa da deputada Janaina Paschoal (PSL) passou hoje na assembleia paulista

SÃO PAULO – Por 58 votos a 20, foi aprovado nesta quarta-feira na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) o projeto de lei da deputada Janaina Paschoal (PSL) que garante à gestante a possibilidade de optar pela cesárea , a partir da 39ª semana de gravidez, em hospitais públicos do Sistema Único de Saúde (SUS), ainda que não haja orientação médica. A medida dividia políticos e médicos . Defensores do parto normal humanizado lamentaram a decisão.

O projeto já havia ido à votação há uma semana, em sessão extraordinária até quase meia-noite, mas a votação acabou adiada por falta de quórum. A garantia de oferta de anestesia para o parto normal no SUS é outra bandeira do projeto de Janaina.

No âmbito federal, o projeto foi apresentado na Câmara pela deputada Carla Zambelli, também do PSL, mas aguarda tramitação. Carla comemorou a aprovação da medida em São Paulo.

— Janaina sofreu pressão da oposição, que trabalhou muito contra esse projeto. A aprovação mostra que ela tem força, e que o projeto é viável e plausível de ser aprovado, inclusive, em nível nacional. A mulher tem o direito de escolher. O corpo é dela — afirmou Carla Zambelli.

A deputada federal diz que, a partir do resultado em São Paulo, estudará a possibilidade de pedir tramitação em regime de urgência do projeto na Câmara.

O plano de Janaina Paschoal é que, de agora em diante, a decisão sobre o parto seja da gestante – a preocupação dos que discordam do projeto é que ele possa contribuir para elevar taxas de cesárea que deveriam ser reduzidas. Na discussão, o embate também ficou ideológico. A pauta da deputada virou a bandeira feminista do PSL, portanto, de “direita”, enquanto o apelo ao parto normal humanizado ganhou reforço de parlamentares “da esquerda”.

— Perdem a mulher, enquanto detentora da sua autonomia, a saúde do bebê, já que os estudos demonstram que tanto a saúde da mulher quanto do bebê no parto cesárea são muito mais prejudicadas e suscetíveis a vários tipos de doença, do aumento da mortalidade materna ao aumento da mortalidade neonatal. Lamentamos profundamente. Lutamos muito, mas fomos vencidos. Mas não estamos derrotados — disse a deputada estadual Beth Sahão (PT).

Segundo Beth, representantes de partidos de esquerda, contrários à medida, vão “continuar estudando a possibilidade da judicialização desse projeto”.

Há divergências na questão de a mulher poder ou não escolher fazer a cesárea. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma recomendar cesáreas apenas “quando medicamente necessárias”. Segundo a OMS, as cesarianas podem causar complicações significativas, incapacidade ou morte, particularmente em locais sem instalações com condições de realizar cirurgias seguras ou tratar potenciais complicações.

Em 2016, o Ministério da Saúde publicou um protocolo com orientações aos serviços de saúde, com incentivo ao parto normal. Em 2018, 56% dos partos realizados no Brasil foram cesarianas, a maioria em hospitais particulares, e 44% normais, segundo levantamento da pasta.

Historicamente, esse tem sido o padrão. No estado de São Paulo, o percentual é semelhante. Anualmente, são realizados, em média, 370 mil partos no SUS paulista, e as cesáreas correspondem a cerca de 43% desse total. Desde 1985, a comunidade internacional de saúde considera a taxa ideal para cesarianas entre 10% e 15%.

Resolução de 2016 do Conselho Federal de Medicina (CFM) afirma ser “ético” o médico atender à vontade da gestante de realizar a cesárea, desde que “garantida a autonomia do profissional, da paciente e a segurança do binômio materno fetal”.

Não há estudos oficiais nesses órgãos que avaliem as condições do SUS de absorver novos custos e profissionais (especialmente anestesistas), em um eventual aumento no número de cesáreas.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios