Política

‘Quem não reza a cartilha do Amoêdo, ele boicota’, diz Salles sobre punição do Novo

Em entrevista ao "Programa Pânico", o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, criticou o presidente do partido Novo, João Amoêdo, pela suspensão de sua filiação

SÃO PAULO — Suspenso pela Comissão de Ética do partido Novo, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles , criticou nesta sexta-feira o presidente da sigla, João Amoêdo, e o chamou de “dono do partido”. Em entrevista ao “Programa Pânico”, ao qual ele compareceu vestindo a camiseta laranja do Novo para mostrar “que é membro do Novo e defende as ideias do partido”, Salles afirmou que o diretório nacional do partido é um “mero validador” dos desejos de Amoêdo e que a decisão por sua suspensão foi “monocrática” e “imperial”.

— Quem não reza a cartilha do Amoêdo, ele boicota. Você tem um presidente do partido que deixa a presidência para ser candidato, não se elege e volta para a presidência do partido, que vai querer ser candidato de novo, que tem um diretório nacional que é só composto por pessoas que são ligadas a ele e que fazem tudo o que ele quer. Ou seja, o diretório nacional é um mero validador daquilo que ele quer — declarou o ministro — Não gosto de fingimento, não gosto de falsidade.

Salles também rebateu a declaração da deputada Júlia Lucy (Novo-DF) de que ele “deveria ter solicitado seu afastamento do partido no momento em que foi chamado para o governo Bolsonaro”. O ministro afirmou que o dispositivo partidário que dispõe sobre o afastamento do filiado enquanto ocupar cargo público sem relação com a legenda foi criado após a sua nomeação, “justamente por conveniência.

— Tem ali uma esquerdização meio esquisita de algumas posições que são mero descontentamento pessoal. Estão forçando a barra para justificar a decisão monocrática e imperial que vem da direção do partido. Todo mundo que tem um pouco de opinião própria e brilho próprio vai sendo escanteado, porque ninguém pode brilhar mais que o sol — disse.

— Ele (Amoêdo) não ajudou o Zema para o governo do estado. Quando o Zema foi eleito, ele nem sequer foi lá na posse. Brigou com o Mateus Bandeira (candidato ao governo do Rio Grando do Sul em 2018) no Sul. Agora tem uma resolução nova do partido impedindo as pessoas de participarem de movimentos sociais e grupos, porque isso fere a imagem do partido. Quer dizer, a pessoa perde completamente a autonomia da sua pessoalidade em razão disso. É o fim da picada.

Para a suspensão do ministro do Meio Ambiente, o Novo alegou que o estatuto prevê que a medida pode ser tomada em caráter liminar, antes mesmo do fim da análise do processo interno, em caso de “risco de dano grave e de difícil reparação à imagem e reputação” da sigla. A decisão foi comunicada nesta quinta-feira em e-mail enviado aos filiados.

A suspensão da filiação de Salles foi pedida em agosto por três integrantes da legenda no Rio: o deputado estadual Chicão Bulhões, o ex-candidato ao governo do Rio Marcelo Trindade e o ex-candidato a deputado federal Ricardo Rangel.

“Anote-se que o ministro Ricardo Salles tem atuado com grande convicção na adoção de condutas divergentes com os programas do Partido Novo no tema ambiental , demitindo profissionais qualificados, desdenhando de dados científicos e revogando políticas públicas sem qualquer debate prévio, aprofundado e responsável, reduzindo a capacidade de interlocução do país com seus pares internacionais e atuando com absoluta irresponsabilidade. Isto, por si só, já constituiu violação dos princípios e valores do Partido Novo, que prega a atuação profissionalizada, e não politicamente motivada, dos agentes públicos”, diz a representação.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios