Política

Raquel Dodge chora ao falar do cargo e deseja êxito no trabalho do seu sucessor, ao participar de evento em Goiânia

Procuradora-geral da República assinou termo para que Goiás possa usar o Frida e fez palestra no Ministério Público Estadual.

A procuradora-geral da República Raquel Dodge passou o dia em Goiânia, nesta sexta-feira (6), e chegou a se emocionar ao relembrar sua atuação à frente do cargo, que deixará no próximo dia 17. Ela veio assinar um termo para que Goiás também possa usar o Formulário de Risco aos Casos de Violência contra a Mulher (Frida) e fez uma palestra no Ministério Público Estadual.

Dodge evitou entrar em detalhes sobre a escolha feita pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), pelo nome de Augusto Aras para substituí-la.

“A expectativa dos membros do Ministério Público é de que realmente sejam ouvidos nessa escolha. Eu tenho a desejar ao meu sucessor muito êxito no trabalho que ele fará, e torcer que tudo corra muito bem”, afirmou.
Durante a palestra que fez no Ministério Público, a procuradora comentou sobre a Lei de Abuso de Autoridade, sancionada pelo presidente. Para ela, é preciso que se garanta que o MP possa atuar “sem ameaças veladas”.

“Nós temos que zelar sempre por autonomia do Ministério Público, que nos é assegurada na Constituição, para que os membros desta Casa trabalhem com as garantias constitucionais, com destemor, com coragem e prontidão”, afirmou a procuradora.
Para ela, a lei sancionada com 36 vetos “deveria ser integralmente vetada” e, inclusive, afirmou ter dito isso a Bolsonaro.

A procuradora falou ainda sobre a importância do Ministério Público no respeito às leis, contra o retrocesso, e principalmente na defesa das minorias. Ela afirmou que deixa o seu cargo com o sentimento de dever cumprido.

“É o sentimento de quem cumpriu o seu cargo com integridade, com ética, procurando alargar o horizonte de trabalho do Ministério Público, que no Brasil tem um papel muito importante, tanto em defender a democracia, como direitos fundamentais, e zelar pela ordem jurídica. É um trabalho que temos feito intensamente”, afirmou ela.

O Frida

O Frida foi lançado em 5 de dezembro de 2018, no 2º Seminário Internacional Brasil-União Europeia: Caminhos para a Prevenção da Violência Doméstica contra a Mulher, realizado em Brasília (DF).

A ferramenta indica, de forma objetiva, o grau de risco da vítima em virtude das respostas dadas às perguntas do formulário, o que pode reduzir a probabilidade de uma possível repetição ou ocorrência de um primeiro ato violento contra a mulher no ambiente de violência doméstica.

Raquel Dodge explicou que o Frida possibilita ao Estado definir as prioridades, uma vez que o uso do método científico mostra quem está sob maior risco e a quem primeiro ajudar. Ele vem como um socorro para organizar informações dentro do setor de Segurança Pública.

“Para nós, é uma honra o Estado acolher mais este instrumento para reduzir a violência no País”, finalizou a procuradora-geral da República.

Via
G1
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios