NotíciasPolítica

Reguffe se filia ao Podemos, que se torna a segunda maior bancada do Senado

Representante do Distrito Federal, parlamentar estava sem legenda desde 2016

RIO — O senador José Antônio Machado Reguffe se filiou nesta quarta-feira ao Podemos (antigo PTN). Com isso, o partido se consolida como a segunda maior legenda do Senado, com dez parlamentares. A bancada, agora, supera a do Partido Social Democrático (PSD), que tem nove. A liderança é do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), com 13 senadores. Reguffe estava sem partido desde 2016, quando se desligou do Partido Democrático Trabalhista (PDT) por divergir do apoio ao governo da então presidente Dilma Rousseff.

Em uma rede social, o parlamentar do Distrito Federal disse ter aceitado o convite do Podemos após a garantia de “liberdade total de voz e voto”. Ele é defensor de candidaturas avulsas, sem filiação partidária, que não são permitidas pela legislação eleitoral vigente.

“Além disso, o Brasil precisa construir uma alternativa de centro, mas não desse centro fisiológico, não desse toma lá dá cá que envergonha, não do Centrão, mas de um centro democrático, que discuta verdadeiramente um projeto de país”, completa o comunicado.

No plenário do Senado, Reguffe afirmou que o convite partiu do líder do partido no Senado, Alvaro Dias (PR) e da presidente nacional do Podemos, Renata Abreu, que é deputada federal por São Paulo.

Dias elogiou o agora correligionário, deixando aberta a janela para uma possível disputa por outro cargo em 2022. Ele poderia concorrer ao governo do Distrito Federal ou, ainda, à Presidência da República.

— Quem sabe, no plano eleitoral, vossa excelência possa ser convocado para funções ainda maiores do que aquela que exerce hoje como senador? — especulou o senador pelo Paraná.

O mandato do senador vai até as próximas eleições gerais, em 2022.

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios