JustiçaPolítica

Relator no STF vota contra pedido para anular impeachment de Dilma

Um pedido de anulação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff será analisado até quinta-feira (12) pelo plenário virtual do Supremo Tribunal Federal. A petista foi afastada em agosto de 2016.

O ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, defendeu junto aos ministros do STF que o plenário julgasse o caso — já que um impeachment de um presidente da República exigiria um debate presencial com o colegiado da Corte.

Porém, o relator dos mandados de segurança, o ministro Alexandre Moraes, negou provimento aos recursos e iniciou o julgamento virtual — que ocorre sem a reunião dos ministros, que concedem seus votos ao sistema eletrônico da Suprema Corte.

A votação se encerra na quinta-feira e apenas o ministro Alexandre de Moraes se posicionou. Antes do julgamento, o ministro manifestou que as ações perderam o objeto porque o mandato se encerrou em 2018. Algo que a defesa sabe, mas o julgamento balizaria o debate sobre os direitos políticos de Dilma.

O Senado aprovou o impeachment sem torná-la inelegível, o que a permitiu ser candidata ao Senado pelo PT na eleição passada e ser derrotada nas urnas. Nos bastidores, a anulação é almejada pelo PT para reforçar o discurso de golpe, articulado no Congressso e pelo então vice Michel Temer.

O impeachment foi autorizado com base nos crimes de responsabilidade fiscal, nas chamadas “pedaladas”, e a edição de decretos de créditos suplementares sem a autorização do Congresso.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos(Jovem Pan)

Via
Jovem Pan
Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios