Tecnologia

São Paulo usará celulares para monitorar aglomerações

Governo tentará dispersar multidões e pede que se fique em casa

Um sistema, feito em acordo com as quatro operadoras de celular – Oi, Tim, Claro e Vivo – vai monitorar e localizar aglomerações que se formarem em todo o estado de São Paulo. Assim, o governo paulista poderá atuar tentando dispersar multidões e advertir as pessoas para que  fiquem em casa.

O sistema mostra mapas de calor. As cores quentes ou vermelha indicam os bairros onde há maior movimentação e, as áreas verdes, onde há menos gente circulando.

O programa – denominado Sistema de Monitoramento Inteligente (SIMI) – foi lançado hoje (9) pelo governador de São Paulo, João Doria. Segundo ele, o primeiro teste foi feito ontem. “As quatro operadoras de celular vão passar a monitorar o isolamento social em todo o estado de São Paulo durante a quarentena”, disse o governador, acrescentando que isso não terá custos para o estado.

“Com informações geradas por meio de aparelhos celulares de usuários, poderemos identificar os lugares onde essas pessoas estarão e onde haverá concentração para analisar também o percentual de isolamento e ações de orientação e de advertência, se for necessário”, explicou. A ideia é ampliar o isolamento em todo o estado, passando dos atuais 49% para 70%.

Segundo a secretária de Desenvolvimento Social, Patricia Ellen, o governo de São Paulo não terá acesso a dados individualizados das pessoas. “Uma aplicação prática disso [do sistema] é começar a cruzar essas informações com nossos dados de saúde com relação a casos confirmados e suspeitos. Sabemos que a região metropolitana de São Paulo hoje concentra 80% dos casos de coronavírus e vamos passar a acompanhar essa informação de uma forma cada vez mais granular, sempre respeitando a privacidade das pessoas”, disse ela.

O cruzamento dos dados das operadoras e dos registros de serviços de saúde também permitirá que o governo envie mensagens de texto para a população. Os alertas vão informar se a pessoa está em uma região com índices elevados de casos da covid-19 .

Parceria com bancos

O governador anunciou ainda, em conjunto com a prefeitura de São Paulo, uma parceria com os bancos privados – Itaú, Santander e Bradesco – para a produção de 2 milhões de máscaras de tecido. Elas serão produzidas em comunidades carentes e distribuídas ali mesmo. Os bancos vão doar R$ 2,5 milhões para a confecção e distribuição das máscaras até o fim de maio.

A produção teve início na segunda-feira (6), na Escola Técnica Estadual (Etec) de Heliópolis. Na próxima segunda-feira (13), entram em operação mais duas carretas no Centro Educacional Unificado (CEU) Água Azul, na Cidade Tiradentes, na zona Leste de São Paulo; e na Etec de Esportes, no Parque Novo Mundo, na zona Norte.

A iniciativa prevê a remuneração de 740 profissionais autônomos de costura. “A confecção será realizada por costureiras, mulheres destas comunidades carentes, que vão receber R$ 2 por máscara produzida. A remuneração pode ultrapassar R$ 80 por dia. É uma medida que atende uma necessidade de saúde pública, de geração de renda e de proteção social”, disse Doria.  A previsão é que sejam produzidas, até o final de maio, 2 milhões de máscaras.

Parceria com WhatsApp

O governo de São Paulo lançou também um canal de comunicação pelo WhatsApp sobre o coronavírus. Será um tira-dúvidas sobre a doença.

Para acessar, basta adicionar o número +55 11 95220-2923 e enviar uma mensagem com a palavra “oi” e a pessoa começará a receber uma lista de temas sobre o coronavírus, com dados sobre prevenção, checagem de notícias e higiene domiciliar, por exemplo.

“A  partir de hoje, passamos a contar com o SP Perguntas, um canal gratuito de informações para que a população possa tirar dúvidas e aumentar a prevenção contra o coronavírus. É a tecnologia a favor de salvar vidas e integrar as pessoas na sua proteção e na proteção das suas comunidades”, frisou o governador.

Medidas municipais

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, informou hoje (9) que foi publicado no Diário Municipal o programa Costurando pela Vida, que prevê a contratação de mil costureiras pelo período de dois meses.

O investimento é de R$ 2 milhões. A meta é que sejam confeccionadas um milhão de máscaras, 500 mil protetores faciais e 500 mil aventais. O material deve começar a ser entregue no dia 20 de abril. Segundo o prefeito, a empresa escolhida para isso será a que oferecer o maior salário para as costureiras.

Covas também anunciou que será lançado amanhã (10) um edital do programa Cozinhando pela Vida, que prevê a contratação de 300 cozinheiras para produzir três mil refeições por dia nos Centros Educacionais Unificados, pelo período de dois meses.

As primeiras refeições devem começar a ser entregues a partir de 30 de abril. O investimento é de R$ 1,7 milhão. “Os dois programas são de duplo benefício. Em primeiro lugar, ajudamos a população que mais precisa e que é mais afetada no momento de crise econômica e de pandemia. E são programas de transferência de renda, em especial para as mulheres”, disse.

Edição: Kleber Sampaio

Etiquetas

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios